Bem-vindo ao blog da Santo Angelo!

Cabos e acessórios SANTO ANGELO tem na Music Jungle
Compre já!

Carnaval como Music Business

2016-02-19 - FB

Esse é o 4º post que fazemos aqui no blog sobre Carnaval e muitos de vocês devem estar se perguntando: essa galera da SANTO ANGELO deve gostar mesmo dessa festa. A todos respondemos:

Gostamos das oportunidades que o Carnaval proporciona como Music Business.

2016-02-19 - 001

A preparação, execução e pós-carnaval movimentam a economia brasileira e geram milhares de empregos formais e informais. Enquanto muitos aproveitam o feriado nos blocos de rua e em viagens pelo país, a indústria do turismo, hotelaria e entretenimento estão a todo vapor para levar uma excelente experiência o público em geral e em particular.

A música não poderia ficar de fora, pois é a atração principal desta grande festa, como vimos o depoimento dos irmãos Macedo: Armandinho, Andre, Aroldo e Betinho no vídeo acima.

2016-02-19 - 002

Para entendermos mais sobre a relação do Carnaval com o Music Business, convidamos nosso endorsee, Luciano Magno, guitarrista, compositor, cantor, arranjador e produtor musical, para contar mais sobre essa experiência.

SA: Quantos shows você fez durante o período carnavalesco?

LM: Durante o Carnaval propriamente dito, fiz sete shows. Mas, o meu Carnaval começou desde dezembro do ano passado, com as prévias e se estendeu ao longo do mês de janeiro, intercalando com as Oficinas de Música de Curitiba, onde ministrei aulas e fiz apresentações.

SA: Qual o tipo de apresentação é mais gratificante para o artista?

LM: Além dos shows do Carnaval, me apresentei também no Gravatá Jazz Festival 2016, recebendo como meus convidados especiais o mestre Roberto Menescal e Sabrina Parlatore.

2016-02-19 - 003

Foi um show sensacional, com um ótimo público atraído pela música de qualidade. Este tipo de apresentação sempre é muito marcante. Em dezembro, também fiz um show recebendo o Armandinho Macedo como convidado, justamente na minha terra natal, Paulo Afonso – BA.

2016-02-19 - 004

Foi um grande encontro de guitarras, celebrando o natal da cidade! Um tipo de evento que deve ser copiado e expandido para outros lugares, pois existe um público carente desse tipo de atividade. Mas, o carnaval também tem os seus encantos.

Neste ano, participei mais uma vez da abertura do Carnaval do Recife, no Marco Zero, com um público imenso, lotando aquele grande espaço e tem também o Galo da Madrugada, onde saí mais uma vez como convidado especial no Trio de André Rio, no evento que reúne dois milhões de pessoas nas ruas do centro do Recife.

2016-02-19 - 005

E segui com os meus shows carnavalescos até a quarta feira de cinzas, passando por polos do carnaval do Recife e cidades no interior.

SA: Você conseguiu mostrar seu trabalho ou apenas acompanhou artistas?

LM: Desde 2007 que não acompanho artistas. Na verdade, já comecei profissionalmente com a minha própria banda, depois, quando desfiz o projeto, passei a tocar com muita gente bacana e foi uma experiência maravilhosa.

Mas, voltei a fazer os meus próprios shows no carnaval pernambucano desde 2007, quando lancei o disco Novos Carnavais. E cuido da minha carreira instrumental, desde 2000, quando lancei o disco Liberdade. Então, já tenho muito tempo de dedicação aos meus projetos pessoais.

SA: Quando começou a tocar no Carnaval foi muito difícil?

LM: Comecei a tocar por volta dos 11 ou 12 anos de idade e lembro que participei já do primeiro carnaval, tocando frevos pernambucanos e frevos eletrizados.

Quando vim morar no Recife, eu já tinha um repertório vasto, ligado ao carnaval e com o passar dos anos, fui me inserindo cada vez mais, compondo, escrevendo arranjos, produzindo figuras ligadas à folia de Momo. Para mim, sempre foi algo muito intrínseco, natural, de muita proximidade mesmo.

2016-02-19 - 006

SA: Tocar durante o carnaval abre outras possibilidades de trabalho?

LM: Creio que sim. A visibilidade é muito grande. Cobertura das televisões, a imprensa cobrindo tudo e tal… Mas, tenho um trabalho eclético que vai muito além dessa coisa do carnaval.

Sou um compositor de música brasileira e me apresento também em festivais de Jazz e World Music pelo mundo afora. Não quero rotular o meu trabalho, nem me limitar a um único gênero.

SA: A apresentação do Angra e Sepultura durante o carnaval de Salvador gerou inúmera repercussão na imprensa e redes sociais. O que você achou?

LM: Por incrível que pareça, não tive a oportunidade de ver, nem pela TV. Você imagina, 07 shows em 04 dias. Não sobra tempo nem pra dormir direito. E a gente acaba se divertindo, brincando, entre um show e outro.

Mas, acho importante que se dê espaço também para bandas de rock no carnaval de Salvador. No Recife, temos o REC BEAT, voltado para a música alternativa e também pro Rock. É um espaço já consolidado durante o carnaval.

SA: Como você seleciona os shows que vai participar ou as marcas que vai aparecer durante o carnaval?

LM: Faço questão de usar os equipamentos que escolhi com as empresas que me patrocinam. Também tenho parceria com marcas de roupas e acessórios, para cuidar do visual, durante o carnaval.

É uma via de mão dupla e me sinto muito feliz por ter esses parceiros sempre por perto.

A SANTO ANGELO faz parte dessa história, desde 2003.

2016-02-19 - 007

Com relação aos shows, a gente recebe alguns convites a exemplo da abertura do Carnaval que foi em homenagem ao Maestro Forró, um grande amigo. O Galo da Madrugada também mantém sempre o convite de pé e acabo escolhendo sair no trio do André Rio, parceiro de composições e temos afinidade musical muito forte, fica fácil.

A gente já sai cantando e tocando!

As demais apresentações acontecem em forma de edital, no Recife e no Governo do Estado e prefeituras do interior que procuram o nosso empresário.

SA: Quais conselhos você daria para os fãs que desejam seguir seus passos?

LM: Em face da degradação musical que assola o nosso país, aconselho a rapaziada a procurar fontes seguras de informação.

É o “beber na fonte”. Procurar ouvir grandes compositores e saber separar o joio do trigo. O que estão enfiando goela abaixo, na mídia, não traz nenhuma base musical.

Trace o seu próprio caminho e dê a sua parcela de contribuição para que consigamos superar esse momento caótico em que o país se encontra, cultural, econômica e politicamente! Música é vida!

Gostou da trajetória de sucesso do Luciano Magno? Inspire-se!

Aproveite que ainda falta muito tempo para o carnaval de 2017 e planeje suas ações, e não esqueça: A música é universal, amplie seus horizontes.

Abraços e até a próxima!

Lygia Teles, é Relações Públicas, formada pela Faculdade Belas Artes e pós-graduanda em Gestão de Marketing pelo SENAC-SP. Desde janeiro/16 integra a equipe de Marketing e Comunicação da  SANTO ANGELO.