Consciência na veia

Por Isis Mastromano Correia

Hoje, 22 de março, é o Dia Mundial da Água e pode soar estranho a princípio, mas, sem ela não se faz boa parte do que conhecemos como Música. É isso mesmo. Na nossa rotina mecânica dificilmente paramos para olhar o que há por trás daquilo que enxergamos. Explico: todos os instrumentos que você toca e claro, os cabos, só ganham vida graças à água. Como você não vê essa água propriamente dita, ela é chamada de água virtual.

Água imprescindível para a construção dos cabos e instrumentos

Ela é o ingrediente essencial da receita capaz de tirar um produto do mundo das ideias e transformá-lo em realidade na linha de produção dos equipamentos musicais, por isso, é tratado à altura de sua importância pela SANTO ANGELO e gostaríamos de compartilhar essa informação com você, que, ao escolher um de nossos cabos manifesta não só ter Música mas também conscientização na veia!

Água virtual é o nome que se dá ao líquido empregado nas coisas e você não vê

Nesse ano, o Dia Mundial da Água vem em meio a uma crise hídrica na região metropolitana de São Paulo, um fato que reforça a necessidade de escolhermos produtos afinados com a natureza, que chegam às nossas casas sem deixar rastros negativos no ambiente.

Há muita água no planeta, é verdade, porém 97% é salgada e apenas 3 % doce sendo mais de 99% congelada nas regiões polares ou confinadas em rios e lagos subterrâneos dificultando a utilização. Ao colocar a lupa sobre o Brasil, o quadro é ainda mais dramático: boa parte dos mananciais, antes disponíveis para uso, tornaram-se indisponíveis não pelo acesso complicado, mas, por poluição. De acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica, que apresentou nesta semana um estudo sobre a qualidade de 96 rios, córregos e lagos de sete estados das regiões Sul e Sudeste do país, 40% destas águas monitoradas entre 2013 e 2014 foram classificadas como ruins ou péssimas inclusive em represas, como a Billings.

O consumo médio diário de água no Brasil é de 200 litros por pessoa enquanto, segundo a ONU, 180 litros são o suficiente para cada pessoa. Esse desperdício é resultado direto da pouca conscientização. Como dizem os ambientalistas, no Brasil há esse milagre de se abrir uma torneira e sair água limpinha, uma realidade que não se aplica fora dos grandes centros e em vários locais mundo afora.

Como podemos mudar esta situação? Nessa hora vale o famoso “fazendo nossa parte”, pois, ainda de acordo com SOS Mata Atlântica, é a falta de tratamento de esgotos das casas, o lançamento de produtos químicos como sabões e detergentes nos rios por sistemas domésticos e da poluição do lixo descartados de forma inadequada nas cidades, coisas que podem ser em, muito evitadas já da porta de casa para dentro.

A problemática é grande, a gente sabe, e diante desse cenário, a SANTO ANGELO desenvolveu o Programa Água de Reuso que consiste no consumo consciente de água potável, seu posterior tratamento e reutilização no resfriamento de máquinas dos processos industriais de fabricação de cabos especiais e injeção de plásticos além de visar a responsabilidade de todos com o líquido precioso, não apenas dentro, ma também fora da empresa por meio de palestras e informativos.

Aliando música à água!

A SANTO ANGELO possui ainda uma estação de tratamento de água capaz de retirar contaminantes existentes nos efluentes industriais e domésticos (não sanitários) da água, um processo que possibilita seu reuso de acordo com a legislação vigente. Os compostos que ficam para trás, como metais, são encaminhados para empresas autorizadas em recuperar esse material.

A água de chuva também não passa batida: ela é recolhida dos telhados da empresa, passa por sistemas de limpeza e serve para reforçar os níveis de operação das bombas de pressurização das tubulações de resfriamento de máquinas. A capacidade de armazenamento é de 150.000 litros de água pluvial!

Tanque Externo de acumulo de água que recebe parte da água de chuva recolhida nos telhados da empresa

Toda a água tratada na planta da indústria é armazenada em tanques e, o excedente serve ainda para a rega dos jardins e gramados da empresa, além de alimentar a fonte ornamental de água corrente na entrada dos veículos e ponto de encontro dos colaboradores da SANTO ANGELO.

Para se ter ideia, ao abraçar a ideia da reutilizar água ao invés de descartá-la, a SANTO ANGELO conseguiu reduzir o consumo bruto de água em 40%! O valor total investido para que esse resultado positivo fosse alcançado foi de R$200 mil reais nas fases de projeto e instalação da infraestrutura, incluindo aquisição e montagem dos equipamentos, além dos treinamentos para os responsáveis pela operação, manutenção e inspeção do sistema.

E você? Tem alguma ideia para dividir com agente que alia Música à conservação da natureza? Fala disso nas suas canções? Bolou alguma traquitana para economizar? Trabalha em algum projeto ambiental? Conta pra gente!

Tem água na sua música!

Até a próxima.