Estrada e a confraria da música

2015-10-19 - FB

por Ozeias Rodrigues

Olá pessoal, tudo bem? Primeiramente, como é a primeira vez que escrevo para vocês, gostaria de me apresentar: sou o Ozeias Rodrigues, guitarrista, professor de Musica e endorsee da SANTO ANGELO aqui de Itajaí/SC. Estou aqui para continuar o papo que anteriormente o Célio Ramos começou sobre como chegar ao sucesso e os caminhos que você deve passar e os relacionamentos que aparecerão nessa jornada. Se ainda não leu, clique aqui antes de continuar a leitura.

2015-10-19 - 004

Espero que gostem e que contribua na evolução da estrada de cada um.

Nesses meus quase 20 anos de musica, tive a oportunidade de participar de diversas bandas e acumulei experiências muito interessantes. Nesse tempo, conto a participação em com cerca de 20 bandas que me marcaram e deixaram muitas histórias de vida interessantes, algumas das quais irei compartilhar com vocês nesse post.

Uma das coisas mais importantes (na minha opinião) na vida de um músico é saber se relacionar.

Afinal, além de viajar com as pessoas de sua banda, almoçar e jantar, tocar nos ensaios e shows (e sabemos que é muito tempo se relacionando) você ainda precisa lidar com fãs, donos de casas de show, empresários, marqueteiros e uma gama imensa de pessoas.

Sempre tentei ser empático, ou seja, entender as pessoas.

Nunca julgei nem julgo  alguém por alguma atitude isolada, afinal, nem todos têm o mesmo pensamento. Estive numa banda onde eu acreditava muito no trabalho que poderíamos fazer e enxergava que as pessoas não estavam levando muito a sério.

Resultado: acabei saindo para não perder os amigos. Acredito que essa foi uma das piores situações que passei na minha vida profissional, pois fora a falta de comprometimento da galera, o dono da banda queria que eu fosse o produtor, deixando-me em uma situação desconfortável perante meus amigos que não estavam “chegando junto”.

2015-10-19 - 001

Já estive e continuo participando em bandas onde o ambiente é muito bom de trabalhar, podendo até utilizar o jargão “só alegria” ou “a gente ganha pouco mais se diverte”. Entenda que o segredo é o respeito e deixar o ego de lado, afinal, buscamos atingir o real significado da palavra Felicidade.

 Um conselho que posso dar a quem está buscando viver de musica de uma forma mais profunda: não deixe que o “business” mate a sua arte.

Explico: tenho muitos amigos que eram grandes guitarristas/músicos e simplesmente pararam de tocar por desânimo. Quando você começa a tocar só por dinheiro tem que se submeter a tocar de tudo. Se você lida bem com isso, ótimo, você conseguirá seguir sua carreira, mas, como a música é paixão, alguns músicos não conseguem se dar bem com isso.

O músico vai se frustrando, afinal, você estuda, adquire bons equipamentos e 90% do tempo toca o que você não quer tocar. Quando vi que isto estava acontecendo comigo, por volta dos 22 anos (quando tocava em bandas de baile), procurei alguns amigos para montar uma banda de Hard/Metal para tocar só por diversão. Orgulho-me de dizer que a banda existe até hoje (Christmess).

2015-10-19 - 002

Resumindo: nunca perca essa chama.

Todas as bandas que abandonei foram por motivos simples: ou não fazia mais sentido musical (o prazer de tocar) ou a grana não valia a correria. Com o passar dos anos fui moldando minha carreira profissional para que eu, em dado momento, fosse independente, porém, nunca deixei de ter uma boa relação de amizade com todo mundo.

E para você ver como a confraria (podemos chamar até de “panelinha”) funciona, quando deixei minha ultima banda de baile, quem me substituiu foi um aluno. De estudante à membro da capitania (em referência aos piratas). Isso estreitou a relação de confiança com todos os integrantes dessa banda. Volta e meia, até nos reunimos para uma jam.

E com essas experiências, o maior aprendizado que tive com certeza foi aprender a respeitar o momento de cada um.

Você nunca sabe o que esta passando na vida do seu companheiro de banda (pelo menos não 100%). Ai começam as guerras: ele pode não estar muito bem em certo dia e você reagir de forma ácida. Problema à vista.

Sempre pense antes de agir, principalmente quando se mexe com música e músicos (experimente entrar no Twitter e fazer um comentário negativo de algum músico). A coisa mais importante da vida é ter pessoas que te amem, que formem essa confraria.

Se você conseguir esta relação, sempre vai ter alguém para ajudar e ser ajudado.

Tenho um trio de Jazz chamado “Jazz’n Loft” que volta e meia toca nas ruas de Itajaí/SC. Algumas semanas atrás, tocamos numa escola municipal que recebe crianças de um abrigo de menores e, com certeza, foi uma das vezes em que mais me emocionei. Ali eu pude sentir no olhar das crianças o poder da Musica. Posso chamar isso de um “free pass” para essas crianças pensarem em adentrar a confraria da música e não a das drogas ou outras coisas ruins.

2015-10-19 - 003

Acredito que nós músicos deveríamos trabalhar mais esse lado social, pois, se depender do governo, nada disso acontecerá.

Outra parte fundamental da confraria são meus alunos. Aprendo muito com eles, pois me estimulam a pesquisar e aprender mais. Dar aulas para quem quer aprender é uma experiência fantástica, por isso, além do presencial, disponibilizo várias aulas no Youtube. Quem busca esse conteúdo por vontade própria, me faz muito feliz por saber que ajudei alguém.

E hoje, como tenho tocado muito em teatros (que é uma experiência muito diferente, já que o foco do público é para apreciar e se emocionar com a música) usando a arte como ferramenta principal do meu trabalho, vejo que o efeito de toda essa confraria realmente faz sentido e tem um poder imenso. Se eu emocionar uma pessoa, que saia de lá querendo aprender para externar todo esse feeling, pronto:

O “music club” já ganhou mais um confrade.

Espero não ter me prolongado demais com minha história e ficaria muito satisfeito de ajudar vocês, mesmo que só com ideias ou novas formas de agir com as pessoas.

Quero muito que esse grupo imenso de músicos (que não se limita por fronteiras de países, línguas ou qualquer outra coisa) cresça e difunda respeito à todos, afinal, o que nos mantém vivos é essa paixão pela música, nunca deixe que ela enfraqueça.

A gente se vê em uma próxima oportunidade.

Abraço!