“Iconizando” sua Guitarra

2015-12-07 - FB

por Rafael Romano

Olá Pessoal?! Espero que todos estejam bem, e se preparando para o final do ano tentando esquecer um pouco as “crises” que o país está passando.  Meu nome é Rafael Romano, sou diretor da empresa MusicKolor Pintura de Instrumentos Ltda. de Santo André / SP, e estou aqui para contar um pouco da minha experiencia a convite da SANTO ANGELO.

Pensando em guitarra, a busca por timbres certamente continuará em 2016 (e em muitos além) sem esquecer de novos drives, distorções, e quem sabe até um novo amplificador. Mas proponho para vocês uma ideia nova, ou não tão nova assim: reformar uma de suas guitarras antigas enquanto tempos melhores não vêem. Que acham?

Para ilustrar a minha sugestão, no post de hoje abordarei de maneira diferente sobre a guitarra icônica do Eddie Van Halen. Muitos guitarristas gostariam de ter uma original, até mesmo uma que não funcionasse só para enfeitar o quarto, o homestúdio ou  até mesmo a sala da casa. A história dessa guitarra e de seu criador já foi abordada aqui no blog da marca e quem quiser saber mais é só clicar aqui.

Farei uma descrição simplificada do processo de pintura, ilustrando as etapas para a pintura clássica de uma guitarra Frankenstein, uma vez que o próprio Eddie as demonstra de forma confusa, como poderão conferir nas figuras abaixo:

2015-12-07 - 001

O primeiro passo é começar um corpo de guitarra, usado ou novo. Se conseguir um novo, as etapas de preparo da madeira serão mais simples (mas não menos importantes) uma vez que corpos antigos possuem marcas do tempo difíceis de disfarçar.

Após o lixamento básico da peça, fazemos uma aplicação de Fundo Poliéster, este é utilizado por grandes fábricas de instrumentos para selar todos os poros da madeira. Após a aplicação é feito lixamento com lixa Norton 320 e repetimos este processo quantas vezes forem necessárias para selar a madeira por completo. Em seguida, novo lixamento.

Vale a pena lembrar que este post não tem o objetivo de “ensinar” pintura de instrumentos musicais, porque não preciso de mais concorrentes (rs). Brincadeira! Todos os equipamentos utilizados, bem como os sistemas de proteção ao Meio Ambiente e do próprio operador desse processo são muito caros e podem colocar em risco a saúde de quem se aventurar a fazer a pintura por conta própria.

2015-12-07 - 002

Depois desse passo vem a pintura propriamente dita, que seguirá essas fases:

Passo 1: Aplica-se uma camada de tinta preta e, em seguida, colocam-se as fitas adesivas cobrindo a pintura realizada, obviamente com a referência do desenho original, que resultarão, no final, nas listras na cor preta.

Observem etiqueta com o número 1340 no encaixe do braço. Fazemos esse procedimento para identificar e rastrear todas as operações aqui dentro da fábrica. Assim, quando o cliente autoriza o serviço, seu instrumento é cadastrado e reconhecido dentro da empresa com esse número, possibilitando o controle de cada etapa que o instrumento irá passar. Se preciso, essas informações são enviadas para o cliente a fim de informá-lo sobre o andamento do serviço.

2015-12-07 - 003

Passo 2: Aplicamos a tinta branca cobrindo inclusive as fitas colocadas na camada anterior.

2015-12-07 - 004

Passo 3: Aplicar as fitas segundo o desenho aprovado pelo cliente e que determina as listras na cor branca. Parece confuso, mas dá certo!

2015-12-07 - 005

Passo 4: Aplicar a última camada de tinta, a cor vermelha.

2015-12-07 - 006

Após o período de secagem de todas as camadas, com muito cuidado retiramos as fitas. Mas ainda não acabou. A penúltima etapa será a aplicação do verniz, seja ele fosco ou brilhante.

No caso do verniz brilhante, após a aplicação e devida secagem (72 horas) é feito lixamento com lixas Norton 1200 e 1500. A fase seguinte e a do polimento, que pode ser feito na politriz de mão ou de coluna, ilustrada na foto abaixo. Utilizamos Polidor número 2 da Norton.

2015-12-07 - 007

Alguns profissionais, após terminarem a etapa do polimento, começam uma nova fase de “relicar”, ou seja, envelhecer a guitarra para ficar com aspecto de usada. Recomendo um “Relic Médio”, sem exageros, para que a guitarra fique ainda mais parecida com a original, como nas figuras abaixo.

2015-12-07 - 009

Depois de tudo isso, é só montar a guitarra novamente e se divertir com a sua replica da Frankstein, gastando bem menos que uma original. Olha como ficou linda:

2015-12-07 - 008

Bem pessoal, fico a disposição para esclarecer quaisquer dúvidas aqui no blog ou nas redes sociais da SANTO ANGELO e da MusicKolor. Ah, e se esse conteúdo te ajudou ou pode ajudar alguém que você conheça, compartilhe e nos ajude a levar informação de qualidade para mais pessoas!

Grande abraço.

 

Fotos: MusicKolor (Customização de Instrumentos Musicais)