Musica no vestibular

por Dan Hisa

Se você acompanhou nossos posts sobre Interpretação de Textos e Redação para as provas do ENEM, já sabe que o tema Musica costuma cair também nos vestibulares e concursos públicos. Se não leu, clique aqui porque são textos narrativos e muito educativos.

E por falar em vestibular, neste final de semana acontece a 1ª. Fase de um dos exames mais importantes do país, o FUVEST, que tem deixado estudantes e quem mais tem vontade de fazer uma faculdade pública extremamente inquietos e ansiosos. E muitos músicos prestarão essa prova para concorrer às pouquíssimas vagas nas universidades, tanto de Musica como de outras disciplinas que escolheram como 1ª opção. Aliás, também já falamos sobre essa escolha nesse post.

Para ajuda-los nessa prova de abertura, pesquisamos nos anos anteriores, os cadernos de questões e encontramos alguns testes que envolviam trechos de músicas e interpretação de texto. Elas estão logo a seguir e gostaríamos que tentassem resolvê-las, caso ainda não as conheçam. As respostas serão divulgadas no dia 28/11/2014, aqui  mesmo no blog.

Leia com atenção e boa “prova”.

 img 3

FUVEST – Prova de 2008

Texto para as questões de 40 a 42

Há muitas, quase infinitas maneiras de ouvir música. Entretanto, as três mais frequentes distinguem-se pela tendência que em cada uma delas se torna dominante: ouvir com o corpo, ouvir emotivamente, ouvir intelectualmente.

Ouvir com o corpo é empregar no ato da escuta não apenas os ouvidos, mas a pele toda, que também vibra ao contato com o dado sonoro: é sentir em estado bruto. É bastante frequente, nesse estágio da escuta, que haja um impulso em direção ao ato de dançar.

Ouvir emotivamente, no fundo, não deixa de ser ouvir mais a si mesmo que propriamente a música. É usar da música a fim de que ela desperte ou reforce algo já latente em nós mesmos. Sai-se da sensação bruta e entra-se no campo dos sentimentos.

Ouvir intelectualmente é dar-se conta de que a música tem, como base, estrutura e forma. Referir-se à música a partir dessa perspectiva seria atentar para a materialidade de seu discurso: o que ele comporta, como seus elementos se estruturam, qual a forma alcançada nesse processo.

Adaptado de J. Jota de Moraes, O que é música.

40. De acordo com o texto, quando uma tendência de ouvir se torna dominante, a audição musical:

A. supõe a operação prévia da livre e consciente escolha de um dos três modos de recepção.
B. estabelece uma clara hierarquia entre as obras musicais, com base no valor intrínseco de cada uma delas.
C. privilegia determinado aspecto da obra musical, sem que isso implique a exclusão de outros.
D. ocorre de modo a propiciar uma combinação harmoniosa e equilibrada dos três modos de recepção.
E. subordina os modos de recepção aos diferentes propósitos dos compositores.

41. Nesse texto, o primeiro parágrafo e o conjunto dos demais articulam-se de modo a constituir, respectivamente,

A. uma proposição e seu esclarecimento.
B. um tema e suas variações.
C. uma premissa e suas contradições.
D. uma declaração e sua atenuação.
E. um paradoxo e sua superação.

42. Considere as seguintes afirmações:

I. Ouvir música com o corpo é senti-la em estado bruto.
II. Ao ouvir-se música emotivamente, sai-se do estado bruto.

Essas afirmações articulam-se de maneira clara e coerente no período:

A. Com o corpo, ouve-se música sentindo-a em estado bruto, ocorrendo o mesmo se ouvi-la emotivamente.
B. Sai do estado bruto quem ouve música com o corpo, no caso de quem a sente de modo emotivo.
C. Para sentir a música emotivamente, quem sai do estado bruto é quem a ouve com o corpo.
D. Sai para o estado emotivo de ouvir música aquele que a ouvia no estado bruto do corpo.
E. Quem ouve música de modo emotivo deixa de senti-la no estado bruto, próprio de quem a ouve com o corpo.

 img 1

FUVEST – Prova de 2012

Texto para as questões de 83 a 85

A Rosa de Hiroxima (Inicialmente um poema, foi interpretada, em forma de música, pelo cantor Ney Matogrosso[1])

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.”

Vinicius de Moraes, Antologia poética.

83. Neste poema,

A. a referência a um acontecimento histórico, ao privilegiar a objetividade, suprime o teor lírico do texto.
B. parte da força poética do texto provém da associação da imagem tradicionalmente positiva da rosa a atributos negativos, ligados à ideia de destruição.
C. o caráter politicamente engajado do texto é responsável pela sua despreocupação com a elaboração formal.
D. o paralelismo da construção sintática revela que o texto foi escrito originalmente como letra de canção popular.
E. o predomínio das metonímias sobre as metáforas responde, em boa medida, pelo caráter concreto do texto e pelo vigor de sua mensagem.

84. Dentre os recursos expressivos presentes no poema, podem-se apontar a sinestesia e a aliteração, respectivamente, nos versos:

A. 2 e 17.
B. 1 e 5.
C. 8 e 15.
D. 9 e 18.
E. 14 e 3.

85. Os aspectos expressivo e exortativo do texto conjugam-se, de modo mais evidente, no verso:

A. “Mudas telepáticas”. (V. 2)
B. “Mas oh não se esqueçam”. (V. 9)
C. “Da rosa da rosa”. (V. 10)
D. “Estúpida e inválida”. (V. 14)
E. “A antirrosa atômica”. (V. 16)

img 2

FUVEST – Prova de 2013

45.

São Paulo gigante, torrão adorado
Estou abraçado com meu violão
Feito de pinheiro da mata selvagem
Que enfeita a paisagem lá do meu sertão.

Tonico e Tinoco, São Paulo Gigante.

Nos versos da canção dos paulistas Tonico e Tinoco, o termo “sertão” deve ser compreendido como:

A. descritivo da paisagem e da vegetação típicas do sertão existente na região Nordeste do país.
B. contraposição ao litoral, na concepção dada pelos caiçaras, que identificam o sertão com a presença dos pinheiros.
C. analogia à paisagem predominante no Centro-Oeste brasileiro, tal como foi encontrada pelos bandeirantes no século XVII.
D. metáfora da cidade-metrópole, referindo-se à aridez do concreto e das construções.
E. generalização do ambiente rural, independentemente das características de sua vegetação.

 

Achou fácil ou deu trabalho? E isso é só um aperitivo dessa prova, que conta com 90 questões com todas as matérias do ensino médio, como matemática, português e literatura, inglês, física, química, biologia, história e geografia. Os candidatos devem chegar com pelo menos 1 hora de antecedência (não façam como o pessoal que se atrasou para o ENEM) e tem 5 horas para fazer a prova. Leiam as questões com calma e façam-nas com muita atenção para conseguirem uma boa nota e aumentar suas chances de ingressar na universidade.

Esperamos que esse breve treino tenha te ajudado. Amanhã o gabarito dessas questões estará disponível aqui no blog.

— Atualização 28/11/2014 —

GABARITO

Gostou do post? Não esqueça de comentar, sugerir, criticar ou elogiar. O seu feedback é muito importante para nós da SANTO ANGELO. Compartilhando todos esses conhecimentos, nós crescemos e evoluímos juntos.

A gente retorna com questões para a segunda fase, ok!?

Até a próxima.

[1] Grifo próprio.