Compor músicas: parte II

Fala meu querido leitor: tudo bem com você?

Ok, você já sabe que aqui é a Lygia Teles e que, mais uma vez, vou a fundo em um dos temas que menos a gente vê por aí que são dicas e elementos para apresentar um trabalho autoral, compondo Música em qualquer estilo.

Você também já sabe que, tanto o YouTube como o Facebook, estão remunerando vídeos de cunho autoral, sem falar outras plataformas de Streaming, certo?

Entendeu agora minha insistência para que você componha mais Música?

Sem contar os vários posts anteriores, publicados aqui no blog SANTO ANGELO sobre Composição, gostaria que você lesse antes (caso esteja chegando agora) ou relesse o post anterior, quando fiz uma releitura de outro post do blog dos nossos amigos da Universidade do Áudio.

Trata-se de 5 dicas matadoras para escrever música com muito mais facilidade, mas como escrever é uma arte que se aprende todo dia, convidamos o professor Eric Paulussi para nos contar sobre os caminhos que ele utiliza na hora de improvisar e compor, bem como, a importância do instrumento na hora de criar.

Aliás, você que toca um instrumento musical tem consciência do que acontece com seu cérebro quando está praticando? De acordo com o vídeo abaixo, que eu selecionei no canal YouTube do TED-Ed , tocar um instrumento musical (assim como usá-lo para compor) equivale a uma verdadeira sessão de academia. Assista e me diga se isso é verdade:

Voltando ao nosso tema de hoje, você que é nosso leitor de vários anos, já conhece o Eric de outros posts, quando também contribuiu com suas opiniões sobre outros temas, como nesse post  show de bola de 2016 e nesse outro do início de 2018, junto com outros endorsees dos cabos SANTO ANGELO.

Sempre lembrando que a tecnologia está aí para te ajudar, porque oferece inúmeros softwares que auxiliam músicos iniciantes ou profissionais na criação de Música, além de ser possível desenvolver melodias em qualquer ritmo, como por exemplo os sistemas Fruit Loops Studio, GuitarSim, Ableton Live, KB Piano, Cool Record Edit Pro, entre outros.

Um último lembrete antes de passar a palavra para o Eric: se preferir, ao invés de ler, você poderá ouvir esse e outros posts do blog SANTO ANGELO clicando na imagem abaixo.

Depois me conte se essa experiência valeu, combinado?

 ————————-

Olá amigos, tudo bem?

É sempre muito bom poder falar sobre temas tão interessantes e dividir um pouco da minha experiência com você e todos os leitores do blog SANTO ANGELO.

No entanto, antes de seguir adiante, é muito importante colocar que, no meu ponto de vista, não existe certo ou errado em relação ao que compor ou como compor, bem entendido?

A Música tem por princípio traduzir uma mensagem que vem como reflexo dos nossos sentimentos e inspirações.

Dessa forma, um fator analítico importante de se levar em consideração é que, dentre todas as coisas, existe sempre o gosto pessoal.

Resumindo: se algo é bom ou ruim para nós, isso também é parte do gosto pessoal, e por isso devemos respeitar a composição dos outros, assim como desejamos que nossas composições sejam respeitadas.

Assim, podemos colocar alguns passos que, sem duvida, contribuem muito para o aprimoramento desse assunto.

Em se tratando de uma tradução de sentimentos, vejo como primeiro passo rumo a esse esclarecimento de composição, entendermos que, da mesma forma que em uma conversa, temos alguns pontos importantes que são o assunto (motivo) e a respiração.

Pensarmos sempre na questão começo, meio e fim, permite que possamos criar enredos, começando com ideias simples que vão se completando, dando continuidade ao assunto e criando os pontos fortes, pontos de respiração e pontos de descanso.

Só com esse primeiro entendimento é possível começarmos, mesmo que de maneira simples, a desenvolver a composição, mesmo que o nível de conhecimento musical ainda não seja alto.

Sim, é possível deixar o medo de arriscar.

Afinal, não há pressa ou a necessidade malabarismos excessivos em se fazer arte, não é? Mesmo o mais simples já é muito bonito.

Num segundo instante, vejo como muito importante entender que momentos de inspiração são fundamentais, porque a música nasce dentro de nós, das nossas mentes.

Então, aproveite para gravar suas ideias, por mais simples que posam te parecer, num primeiro momento!

Muitas vezes quando imaginamos a Melodia, gravar ou colocar em prática, traduzindo o pensamento para o instrumento, ajuda muito no desenvolvimento da composição.

Além disso, é fundamental deixar claro que esse caminho não é exclusivo de um instrumento ou outro e sim algo universal.

Somos muito do que ouvimos: influências são como nosso próprio idioma, impressos no jeito de enxergar a Música e executá-la, o que é algo excelente já que isso nos dá um ponto de partida.

Para quem já toca algum instrumento harmônico, existe uma facilidade ainda maior nessa tradução, já que melodia e harmonia andam juntas.

Quando conhecemos melhor o campo harmônico (pelo menos uma parte básica), é possível criar musicas com mais facilidade, a partir da Harmonia e vice versa.

Se você apenas canta, procure também um instrumento harmônico da sua preferência como piano, guitarra, violão, entre outros porque, no fim das contas, isso te dará autonomia (e segurança) para alavancar muito suas composições.

É importante frisar que não existe regra quando se fala de Arte e que todos esses passos são dicas para ajudar quem busca pontos de partida ou um aprimoramento do que já faz.

Pensando nesse aprimoramento, gostaria de finalizar esse post reforçando a importância do Improviso, que muitas vezes é deixado de lado por alguns instrumentistas.

O Improviso ajuda a desenvolver o raciocínio rápido e, muito mais que isso, melodias e combinações da relação escala / acordes, tornam-se automáticas de uma forma direta com nosso Subconsciente, trazendo à tona caminhos cada vez mais interessantes de serem explorados.

Muitas vezes, improvisando, acabamos por compor lindas melodias, que num momento futuro podem se tornam lindas canções, sejam elas instrumentais ou com adição de vozes e outros arranjos.

Lembre-se: improvise e explore toda sua criatividade sempre.

Por último, gostaria de agradecer à SANTO ANGELO que, além de ser uma marca que é sinônimo de Excelência no que faz, mostra a sua preocupação em propagar a boa informação ao abrir espaços em suas redes sociais para disseminar cada vez mais conhecimento entre músicos e entusiastas da Música.

É sempre muito gratificante compartilhar pontos de vista e sugestões para ajudar no crescimento musical de outras pessoas, sem esquecer que estou sempre à disposição, nas minhas redes sociais, para responder dúvidas, ministrar aulas ou consultorias, ajudando mais músicos a viverem da Música.

Um grande abraço.

——————————

Obrigada Eric por dividir conhecimento e expertise com os nossos leitores.

E nem preciso te dizer que dúvidas, comentários elogios e sugestões, podem ser escritos logo abaixo ou nas redes sociais da SANTO ANGELO.

Abraços e até a próxima!

—————————

Éric Paulussi é guitarrista profissional há 10 anos. Atua também como sideman e professor de Setup de instrumento nas licenciadas do EM&T do interior de São Paulo. Endorsee de marcas nacionais e internacionais. Éric desenvolve workshops passando conhecimentos sobre assuntos envolvendo guitarra e tecnologia.

Lygia Teles, é Relações Públicas e especialista em Gestão de Marketing pelo SENAC-SP. Desde janeiro/16 integra a equipe de Marketing e Comunicação da marca SANTO ANGELO.