Bem-vindo ao blog da Santo Angelo!

Cabos e acessórios SANTO ANGELO tem na Music Jungle
Compre já!

Diagrama polar dos microfones

PPDMMCDFDT - FB

por Rafael Cerqueira (Sound Cara)

No post anterior passei para vocês algumas noções sobre os tipos de microfones, dinâmicos e condensadores, e sobre as vantagens e desvantagens de cada um. Hoje subiremos um pouco mais o tom das explicações, falando sobre o diagrama polar de um microfone.

Mas, Rafael, o que é um diagrama polar?

Os microfones, além de serem diferenciados pelo tipo (dinâmico, condensador, de fita, etc), também são diferenciados pelo diagrama polar que é seu espectro de captação das vibrações sonoras. Sei que é complicado, mas para quem desejar se aprofundar sobre como esses diagramas são gerados, recomendo a leitura desse link.

PPDMMCDFDT 004

Deixando a matemática e o Excel de lado, porque o que nos interessa é saber como usar essas propriedades dos microfones, podemos dizer que os principais diagramas são:

  1. Omnidirecional
  2. Cardioide
  3. Supercardioide

Cada diagrama tem suas vantagens e desvantagens, assim como suas aplicações ideais. Existem outros diagramas, como o Hipercardioide e o Bi-direcional, mas hoje veremos somente sobre os mais utilizados e listados acima. Se quiserem que eu fale sobre os demais diagramas, fiquem a vontade para comentar ao final desse post.

Omnidirecional

PPDMMCDFDT 001

Os microfones omnidirecionais captam o som ao redor da cápsula sem alteração de volume. Na teoria, você pode falar tanto com um microfone omnidirecional apontado para você como apontado no sentido oposto e a captação será igual. Mas atenção, disse isso em teoria porque na prática, podem-se notar algumas pequenas alterações nas frequências captadas.

Esse tipo de microfone pode ser muito problemático em ambientes em que se deseje eliminar alguns sons ou ruídos. Imagine um vocalista cantando em um palco, por exemplo: se você utilizar um microfone omnidirecional para captar a voz desse vocalista, com certeza vai captar também o retorno de chão, o cubo de guitarra, a bateria e todo e qualquer som que esteja presente ali naquele palco, inclusive os cliques do acionamento dos pedais do guitarrista. E a gente não quer isso, certo?

PPDMMCDFDT 005

Os microfones Omnidirecionais tendem a ser mais utilizados em situações onde você realmente deseja captar todo o som ambiente, como por exemplo a gravação do som para um vídeo. Um microfone de lapela Omnidirecional pode ser excelente por perder o “efeito proximidade” e não ter muita alteração de som quando a pessoa que o usar, eventualmente mexer a cabeça de um lado para o outro enquanto explica um tema para uma platéia ou em um culto religioso, por exemplo.

Cardioide

PPDMMCDFDT 002

Os microfones Cardioides são mais sensíveis aos sons que chegam pela frente (globo do microfone) e menos sensíveis aos sons que chegam por trás (pelo corpo ou cabo do microfone). Esse diagrama unidirecional deixa os microfones mais eficientes em isolar sons não desejados e os torna muito mais resistentes à microfonia comparados aos microfones com diagramas Omnidirecionais.

PPDMMCDFDT 006

Esses microfones são essenciais em palcos justamente por isolarem ainda mais os sons não desejados. Se você usar o exemplo do vocalista que citei logo acima, um microfone cardioide vai captar a voz dele e ignorar o som do retorno de chão que fica logo à frente do vocalista. O som do retorno chegará ao microfone pela parte de trás e será “ignorado” enquanto a voz do vocalista é captada pela frente ou globo do microfone.

Os microfones Cardioides são os mais comuns hoje em dia, sendo utilizados para voz, microfonação de cubos, microfonação de bateria e praticamente tudo que existe em um palco que seja ligado através de um cabo de microfone.

Supercardioide

PPDMMCDFDT 003

Os microfones de diagrama Supercardioide tem a captação dianteira mais “estreita” que os microfones Cardioides e uma rejeição maior ao som ambiente. Porém, também captam um pouco o som que vem diretamente por trás, ou seja, pelo cabo do microfone.

PPDMMCDFDT 007

Esses microfones são recomendados para palcos com volume muito alto dos instrumentos e equipamentos. Por serem muito direcionais, podem ter um ganho bem mais alto antes de gerar microfonia (aquele apito nas caixas que ninguém suporta). Entretanto, ao utilizar um microfone Supercardioide no palco, precisamos ter um cuidado extra com o retorno de chão, que deve ficar um pouco de lado para que o som chegue ao microfone indiretamente e seja ignorado.

Esses 3 diagramas de microfones são, hoje em dia, os padrões mais utilizados em palcos e estúdios. Como você pode ver, cada um tem suas peculiaridades e podem ser utilizados de forma positiva ou negativa dependendo da ocasião.

Assim, você já entendeu que não existe um diagrama melhor que o outro, da mesma forma que não existe “o” melhor entre microfones condensadores e dinâmicos. Tudo é uma questão de como você vai utilizar o microfone e para qual finalidade.

Qualquer dúvida ou contribuição que deseja compartilhar com os nossos amigos é só deixar um comentário abaixo ou mandar uma mensagem na minha página do Facebook do Sound Cara ou das redes sociais da SANTO ANGELO.

Um abraço e até a próxima.

Imagens dos microfones: Shure