O que te desmotiva a estudar Música na universidade?

2018-07-10

Olá pessoal, tudo bem?

Passadas as fortes emoções da Copa FIFA 2018, e todas as consequências que afetaram nossos últimos quase 30 dias, é hora de voltarmos para a realidade, retomando e evoluindo de onde paramos.

Lembra-se que estava te questionando sobre as suas razões mais sinceras para estudar Música e dela viver como profissão? Se não se lembrar, aproveite para reler o post completo clicando aqui .

E já que estamos falando de Música como profissão, conforme também abordei nesse outro post, por que não seguir adiante estudando Música ou qualquer instrumento musical mais a fundo numa universidade?

Ou será que estudar numa Universidade de Música nunca passou pela sua cabeça?

Como a minha missão aqui no blog SANTO ANGELO é propor sempre novas alternativas profissionais para nossos leitores, fui pesquisar e convidei o professor Djalma Lima, do curso de Guitarra na Faculdade Santa Marcelina e Faculdade Cantareira, aqui de São Paulo/SP, para nos contar um pouco da sua história pessoal e ajudar a desmistificar a carreira universitária para músicos.

Espero que você esclareça muitas das suas dúvidas com ele, cuja história, que lerá a seguir, não difere muito das que conhecemos e que podem até ser muito parecida com a nossa própria vida.

Em primeiro lugar, quero agradecer o convite da SANTO ANGELO e parabenizar pelo conteúdo semanalmente postado no blog.

Vale a acompanhar os temas, sempre instigantes.

Para quem não me conhece, sou Djalma Lima, professor universitário e músico. Se desejar saber mais sobre os cursos de Bacharelado de Música e Licenciatura, clique nesse link do site das Faculdades Santa Marcelina e Faculdade Cantareira  

É um prazer contar um pouco da minha história para vocês e da minha motivação para nunca desistir da Música.

Antes de começar a estudar guitarra, antes de ter uma guitarra, eu já tinha uma banda.

Eu e um grande amigo, o Eric Budney, fizemos uma guitarra e um baixo de papelão. O baterista seria meu primo (que já tocava em uma banda de verdade) e o Cantor… bem, a  gente daria um jeito.

Foi por causa disso que fui procurar um professor de guitarra.

Naquele momento a motivação máxima era aprender a tocar umas dez músicas do repertório “rock nacional” para poder finalmente dizer: “sabe, eu tenho uma banda”.

15589556_964295530382223_7957939276410918479_n

Depois de algum tempo, estudando guitarra na escola do bairro, você passa a ter contato com outros estudantes que, para sua sorte, são melhores e mais experientes que você.

Com certeza, essa foi a causa que me motivou lá no começo e me inspira até hoje: ter a sorte, o privilégio de poder tocar com músicos mais experientes, em minha forma de sentir, é um alimento à motivação.

E existem muitos músicos a sua volta mais experientes do que você em alguma área do conhecimento. Vale dizer que, não necessariamente, músicos mais experientes são mais velhos que você.

Pessoalmente, convivo com muita gente da minha idade (e mais jovens…) que tem muito a me acrescentar.

Kilohertz foi uma das atracoes do Palco 2 em 2013 FOTO BOLLY VIEIRA

Em poucas palavras, tocar com pessoas é o que me mantém motivado. Estar em diferentes grupos/ projetos, tocar com pessoas diferentes, repertórios diferentes, experiências diferentes.

Acaba nem dando tempo de pensar em desmotivação.

Essa é sempre a minha sugestão aos meus estudantes – vão tocar!

Saia de casa e vá dar uma canja com quem já está isso fazendo. As primeiras canjas algumas vezes podem ser frustrantes, mas faz você voltar para casa com o objetivo de resolver aquilo que não funcionou em sua performance.

Vá tocar com a turma! Ou com as turmas.

Agradeço pela oportunidade de mostrar um pouco do meu trabalho para a galera que acompanha o blog e fico no aguardo dos comentários, dúvidas e sugestões para que tenhamos mais universitários estudando Música no Brasil.

Até a próxima!

Lygia Teles, é Relações Públicas é especialista em Marketing pela faculdade SENAC-SP. Desde janeiro/16 integra a equipe de Marketing e Comunicação da SANTO ANGELO.

  • Jordan Hohenfeld

    Excelente post Santo Angelo, adorei!! Muito bom ler os depoimentos do professor Djalma Lima. Me vi muito quando ele diz: “Saia de casa e vá dar uma canja com quem já está isso fazendo. As primeiras canjas algumas vezes podem ser frustrantes, mas faz você voltar para casa com o objetivo de resolver aquilo que não funcionou em sua performance”.
    Dei muitas conjas em Jam Sessions e saia várias vezes arrasado, porém, cheio de empenho pra estudar em casa. Cresci muito com esse hábito de dar a canja, colher as impressões e trabalhar em cima disso. Ótimo conselho do professor!!
    Estou no ultimo ano do curso de Composição erudito na Universidade Federal da Bahia (Ufba) e muito feliz com tudo que aprendi, expandiu muito meus horizontes musicais. Acredito que torna-se ainda mais enriquecedor, quando você entra em uma graduação sabendo o que procura, adequando sua grade e juntando-se com pessoas que podem lhe ajudar a adquirir aquele conhecimento que tanto busca. Esta é, na verdade, outra qualidade de uma universidade: em meio a tantos músicos, a possibilidade de aliar-se a quem procuram o mesmo que você, ou a quem tenha aquele conhecimento específico pra lhe passar.
    Desta forma, a experiencia de uma graduação em música, pode ser ainda mais intensa e engrandecedora!