Unicórnios exigem dedicação aos consumidores

Olá, pessoal, tudo bem?

Meu nome é Felipe Pierro e os leitores mais assíduos do blog SANTO ANGELO devem lembrar das minhas participações por aqui através desse post e desse outro  quando falei sobre o Music Jungle e alertei sobre os devido cuidados com as compras online.

E para quem está chegando agora esclareço que sou o CEO da startup Music Jungle, o primeiro marketplace brasileiro de músicos para músicos.

A palavra “startup” provavelmente deve lembrar para muita gente a ideia dos “unicórnios”, aquelas empresas brasileiras como a Nubank, IFood ou 99Taxi, entre outras, que já alcançam valores acima de US$1 bilhão.

Ou seja, alguém que é músico e tenha muita afinidade com programação de computadores deve estar pensando, nesse exato momento, em abrir ou começar sua própria startup.

Se for esse o seu caso, sugiro a leitura desse artigo da revista Exame  para começar a entender as características que definem esse tipo especial de empreendimento para poder seguir me acompanhando daqui em diante.

Resumindo: uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza.

Prestou atenção na frase final desse parágrafo: “trabalhando em condições de extrema incerteza?” Não te lembrou sua vida de músico, sempre trabalhando (ou tentando) trabalhar em condições cada vez mais incertas?

Como conclusão e já me desculpando pelo pensamento matemático: uma startup voltada para o mercado de Música, quer seja no Brasil como em qualquer outro país, significa trabalhar em condições de extrema incerteza ao quadrado.

Claro que existem empresas bem sucedidas, mas que utilizaram, como modelo, o consumo de Música em Streaming como objetivo, enquanto que a meta do Music Jungle sempre foi ajudar as pessoas a fazerem Música usando como ferramenta principal a tecnologia e a internet.

Para quem quiser saber mais sobre Streaming, recomendo esse post com dicas preciosas do Fernando Quesada para os interessados.

Voltando ao objetivo do Music Jungle como marketplace, é claro que precisaríamos de cada vez mais lojistas na plataforma, para que mais negócios fossem gerados e assim pudéssemos nos tornar escaláveis.

O problema foi que, com a recessão brasileira, que se iniciou em 2015 e até hoje persiste, cada vez mais lojas de instrumentos musicais diminuíram suas vendas ou até mesmo fecharam as portas, exigiu que o Music Jungle se reinventasse como empresa digital.

Dentro do marketplace criamos espaço, além das lojas do setor, para vendas dedicadas para alguns músicos, como Kiko Loureiro e Silas Fernandes, assim como para marcas específicas, como foi o caso do hub SANTO ANGELO , onde os compradores podem buscar os melhores preços e condições para um determinado cabo em todas as lojas do marketplace.

Uma vez consolidada essas inovações, precisávamos fazer mais para os músicos.

Dessa forma, o próximo passo nos levou para um modelo de facilitação do aprendizado musical em todos os níveis, desde iniciantes até avançados.

Essa mudança, ou melhor, aperfeiçoamento do objetivo inicial de uma startup, chama-se “Pivotagem” e hoje quero contar um pouco sobre esse passo muito importante para a plataforma, que eu e meus sócios chamamos de “Music Jungle Ensina”.

Muitas escolas, ou mesmo músicos professores, ainda tem dificuldade de penetrar a internet e mesmo com muito conteúdo disponível online gratuitamente, o Brasil estava carente de algo que unisse a comunidade (escolas, professores autônomos e alunos em potencial), fornecendo conteúdo de qualidade com preços acessíveis.

Para a equipe do Music Jungle, tão importante quanto facilitar a compra de instrumentos e acessórios musicais, possibilitar que músicos experientes e iniciantes possam ter as mesmas oportunidades na hora de aprender a tocar, independente da região em que residam, passou a ser nosso objetivo ampliado.

Ou seja, no “MJ Ensina” o aluno poderá estudar seu instrumento musical preferido, com professores que nunca antes tinha sonhado, além de várias facilidades como a flexibilidade de programar seus próprios horários, ou tirar dúvidas com uma equipe especializada.

Enfim, uma plataforma desenhada e construída especialmente para músicos.

Começamos esse projeto contando com uma grande parceira: a Escola de Música e Tecnologia (EM&T), que já possuía cursos online de “Guitarra Iniciante”, “Guitarra Intermediária”, “Guitarra Avançada”, “SetUp de Guitarra” e de “Produção Musical” entre outros.

No entanto, isso não significa que no MJ Ensina você só encontrará os cursos da EM&T. Em breve teremos conteúdos de mais escolas de Música e professores autônomos para que logo mais estejam disponíveis outros “produtos” ainda mais especializados.

A ideia é trazer o que há de melhor no mundo na área de Educação Musical e reunir vários cursos dentro de uma plataforma genuinamente brasileira, atendendo as necessidades únicas do nosso meio, tais como o suporte para a prática com backing tracks, lives com os professores e pagamento facilitado por mensalidades que podem ser pagas por boleto ou cartão de crédito.

Curioso para saber mais? Clique

Se você for um professor autônomo ou até mesmo o responsável por uma escola online de Música, a plataforma também oferece soluções para o crescimento de todos de maneira simples e eficiente.

Enfim, o caminho de uma startup até ser chamada de “Unicórnio” é longo, desafiador e cheio de possibilidades.

Alguma dúvida? Deixe-a como comentário abaixo aqui no blog ou escreva para as mídias sociais onde tanto a SANTO ANGELO como o Music Jungle atuam.

Abração e nos vemos no MJ Ensina brevemente!

Felipe Pierro é engenheiro, guitarrista e cofundador da startup Music Jungle.