Montando seu release de apresentação

2016-09-21-banner-2

Olá pessoal, tudo bem?

Hoje, 21/09/2016, inicia-se a 33ª Expomusic. Já estou tratando a algumas semanas o tema e revivendo posts importantes para que sejam aproveitados no período da feira. Hoje, ainda com tempo, resolvi trazer de volta um texto meu, do ano passado, que pode te auxiliar no contato com as empresas desse evento.

Utilize esse e mais o Manual de Network para conseguir bons resultados e quem sabe, parcerias na Expomusic 2016. E não se esqueça de nos visitar também. Boa leitura.

Você com certeza já ouvir a frase “a primeira impressão é a que fica”, não ouviu? Mesmo sabendo que às vezes o primeiro olhar pode não dizer muito sobre alguém, é nesse primeiro contato que as portas podem se abrir para uma nova oportunidade ou se fechar de vez. E pensando nessa “análise de primeira” que estamos acostumados a passar, nesse post falarei sobre como apresentar o seu trabalho, sendo ele como banda, artista solo ou mesmo qualquer trabalho autoral que você se especialize.

O release, ou apresentação, é uma parte muito importante para a sua carreira como músico, pois ele é a chave que te dará acesso a novos mundos, contatos (networking), parcerias e mais divulgação. Por isso, deve ser pensado com carinho e profissionalismo, com um visual agradável e conteúdo relevante do seu trabalho.

2016-09-21-001

Os maiores focos de entregas desses “curriculums” de bandas/artistas são as empresas do setor musical (como nós aqui na SANTO ANGELO) ou correlatas (como marcas de bebidas ou roupas, como exemplo). O primeiro pensamento que deve vir à sua cabeça quando criar esse release é: “Se estou me comunicando com uma corporação, logo, preciso expor meu trabalho o mais formalmente possível”.

Parece incrível, mas já recebi releases que o sujeito começa a se desculpar pela maneira simplista da apresentação, alegando falta de recursos.

Ora, pense comigo: se a pessoa não se esforça para apresentar algo impecável, será que fará diferente com a nossa marca e produtos?

Assim, tome cuidado com gírias, erros de português e com o visual. Não precisa ser um quadro do Van Gogh, mas também não pode ser um texto escrito no bloco de notas. Equilibre texto e imagem, deixe um visual leve e crie interesse imediato na leitura do seu release, começando pelas primeiras palavras e pelo visual geral do conjunto.

Depois de pensar no texto e visual, hora de passar as informações. As empresas não querem saber quantos animais de estimação você tem, mas seria interessante relatar uma experiência voluntária onde você fez um show beneficente em prol do resgate de animais de rua. Você precisa filtrar com calma as informações que serão passadas nesse release e coloca-las em ordem de importância. Imaginando um trabalho de um guitarrista solo, posso dividir dessa forma:

  • Histórico do músico (formação acadêmica, bandas pelas quais passou, estilo musical, músicas lançadas);
  • Projetos (aulas, projetos sociais, projetos online);
  • Fotos e vídeos (apresentações, canais online, vídeo aulas, workshops);
  • Canais de comunicação (e-mail, mídias sociais, site próprio);

2016-09-21-002

Essa é apenas uma sugestão para guiá-lo, de maneira que você pode adicionar ou retirar informações. Lembre-se, antes de se atirar ao mercado, prepare-se. Não adianta ter começado a aprender no mês passado, saber tocar a introdução de “Sweet Child o’Mine” e sair distribuindo releases. Um trabalho sólido sempre terá maiores chances de ser observado pelo pessoal corporativo que tem milhões de coisas para fazer ao mesmo tempo.

Tudo pronto? Ainda há um passo a se fazer para melhorar sua imagem quando enviar ou entregar o release. Analise as empresas que receberão seu release. Pode parecer besteira, mas se você enviar um release de uma banda de black metal para uma empresa com segmentação cristã, ele nunca chegará a ser lido, da mesma forma que um violonista clássico mandar um release para uma empresa que fabrica guitarras exclusivas para heavy metal.

Tenha seu foco ou objetivo (target) bem definido antes de tomar qualquer ação.

Isso vai aumentar significativamente a possibilidade do release ser lido e bem interpretado.

Tudo entregue e a ansiedade vêm, não é? Se não receber resposta (feedback), fique calmo. Entre em contato com a empresa algumas semanas depois para ver se seu release não caiu na caixa de SPAM, se a mensagem chegou a quem é de direito ou mesmo para saber se já foi lido. Insista, mas não demais, senão você ficará conhecido como o “chato”. Se você entregou seu release pessoalmente em uma feira ou show (o que recomendo fortemente evitar, procure pegar um cartão do responsável e enviar um email depois), aguarde uns dias, pois o foco do departamento responsável pelas parcerias pode estar ainda envolvido com os resultados do evento. E tenha ciência de que você pode receber uma resposta negativa, mas não desanime e continue tentando. Os motivos podem ser dos mais diversos, mas continue agregando experiências para se tornar mais interessante para as empresas.

2016-09-21-003

Uma dica que trazemos sempre do exterior. Antes de pedir apoio, os músicos americanos são usuários da marca e já confiam e demonstram a qualidade dos produtos muito antes de fechar qualquer tipo relação. Isso te dá pontos quando falar com uma marca que deseja apoio. Não peça as coisas do zero, dê um “start” por si mesmo e continue galgando seu espaço.

E para fechar, tudo que você diz no release sobre o seu trabalho deve ser demonstrado pessoalmente. Dizer que são músicos comprometidos e não chegar no horário da apresentação, já deixa a nota da banda ou artista no “vermelho”.

E ai, bora preparar o seu release? Lembre-se que o apoio de uma marca é só um adendo ao seu talento e esforço, que são suas principais ferramentas de trabalho. As parcerias ajudam a impulsionar sua carreira, mas a dedicação e o seu bom trabalho são muito mais importantes para alcançar seus objetivos.

Espero tê-lo ajudado (e a sua banda) a não só melhorar a imagem perante empresas, mas também a ser contratado para mais eventos, festivais e ter um público mais satisfeito com a sua forma de trabalho. E comente aqui se já teve alguma situação por qual já passou que te trouxe mais experiência na apresentação do seu trabalho. Compartilhando esses casos, todos evoluiremos juntos.

Até a próxima!

Dan Souza é CMO, Relações Artísticas, fissurado em tecnologia e música, além de baixista nas horas vagas e apaixonado por Publicidade, Propaganda, Literatura e Filosofia. Formado em Marketing pela UNINOVE/SP, faz parte, desde 2013, da equipe de Marketing SANTO ANGELO.