O LADO FEMININO DO 2º CONCURSO CULTURAL SANTO ANGELO CURANDO SEU IMPROVISO GOSPEL

Por Isis Mastromano Correia

“Não leve a mal se eu lhe disser, a guitarra é uma mulher”. Erasmo Carlos foi muito feliz em ter pensado nesse verso antes de muita gente e escrito o refrão que integra seu disco mais recente, Rock´n´Roll, na canção “A Guitarra é Uma Mulher”.

O substantivo é feminino e isso não se discute! Guiada pela feminilidade, de fato, nossa amiga de seis cordas parece ganhar um brilho especial. No 2º Concurso Santo Angelo Curando Seu Improviso Gospel, elas não podiam ficar de fora, por isso, nada mais justo do que contempla-las com uma categoria só delas.

Conversamos com as meninas que integram o pódio do Destaque Feminino e agora você confere um pouco sobre a relação delas com a Música e com a nossa “menina” maior: a guitarra.

“É interessante ver que cada dia mais mulheres se interessam por esse instrumento que acho tão expressivo. Sinto-me feliz em tocar um instrumento que muitos dizem ser masculino, mas, acho que a música é muito ampla em questão disso tudo”, esclarece a ganhadora do Destaque Feminino do concurso, Ellen Lousada, de Ji-Paraná, Rondônia. Ela toca há três anos e é autodidata no instrumento. Começou com bateria, passou para o violão e dele foi um pulo para a guitarra.

Ellen Lousada

Ter sido escolhida com evidência entre as participantes foi para ela uma surpresa. “Não esperava e tomei um susto ao entrar no Facebook e ver mensagens de amigos e outras pessoas me parabenizando. É até difícil expressar o que se sente diante disso, apenas fiz o vídeo para participar. Agradeço a Santo Angelo por essa iniciativa de dar oportunidade aos iniciantes e demais guitarristas”, diz Ellen.

Carolzinha Oliveira comprova a fibra da mulherada quando o assunto é a guitarra. A baiana de Salvador também é autodidata e toca há cinco anos. “A princípio resolvi participar devido a grande visualização que é possível ter através do concurso. Foi uma feliz meta que consegui alcançar tendo o meu vídeo como o mais visualizado”, conta. “É muito motivador poder contar com vocês”, ela completa.

Carolzinha Oliveira

Carolzinha conta ter apoio de músicos consagrados e amigos que dão força para que ela imponha cada vez mais sua feminilidade na guitarra. “Sempre toquei em bandas onde sou a única mulher, e, justamente por ser mulher acabo de certa forma me destacando de forma positiva”, avalia.

Do ABC paulista veio Débora Almeida, de 21 anos. Ela mora em São Bernardo e toca há dois anos. Débora é das nossas e diz que o que conta não é o gênero de quem que carrega a guitarra e sim a paixão pelo instrumento e pela Música!

Débora Almeida

A guitarrista conta que decidiu participar justamente de olho da categoria Destaque Feminino, e, deu certo! “Sinto-me ótima, pois, ser guitarrista é bastante comum, porém, ser mulher e guitarrista é um diferencial”, diz. “É claro que a maioria das minhas influências musicais são homens e o fato de tocar guitarra não ser muito comum entre o sexo feminino contribuiu bastante para que eu me interessasse a tocar. Simplesmente amo tocar e sou elogiada por homens e mulheres . Acho que o que realmente conta é fazer com paixão e sou apaixonada por tocar guitarra!”.

No próximo post será a hora e a vez dos baixistas que participaram do 2º Concurso Santo Angelo Curando Seu Improviso Gospel.

Até lá.