CRIATIVIDADE MUSICAL: DE ONDE ELA VEM E PARA ONDE VAI?

Para quem estiver chegando agora ao Blog SANTO ANGELO, sugiro que leia meu post anterior ou escute o episódio #104 do Podcast SANTO ANGELO, para saber mais quem sou e porque o nome Célio Ramos costuma estar associado às reflexões sobre o mercado brasileiro de Música.

E se você acha muita pretensão minha, me responda: de onde flui a Criatividade Musical? Será que a Criatividade está só em quem faz Música ou ela precisa antes fluir do mercado?

Pense comigo: Existem certos paradigmas em torno de algumas artes, como a Pintura, a Dança, o Teatro, a Literatura e a Música, que sempre giram em torno do termo “inspiração”, que está diretamente ligado à criatividade.

Para a maioria das pessoas, todo artista é aquele que deve surpreender a plateia ou o público e ele acaba sendo visto quase como um “ET”, alguém que é dotado de um poder sobrenatural privilegiado, do qual poucos mortais têm acesso

Sem dúvida alguma, são eles quem criam e desenvolvem potenciais para contribuir com o crescimento cultural do mundo, mas será que, sozinhos, poderiam fazer alguma coisa?

O que um grande compositor e músico conhecido internacionalmente poderia fazer numa ilha deserta após um naufrágio?

Provavelmente nada, porque além de não exercer mais seu talento, pois seu público ficaria restrito aos animais existentes no local, nosso personagem também teria sua criatividade e inspiração tolhidas devido a uma situação depressiva onde os incentivos deixariam de existir.

Com base nesse raciocínio, muitos estudiosos do comportamento humano diriam: “mas a Criatividade é um dom nato, assim como a inteligência”. Sim, é verdade.

Mas talvez ele tivesse que canalizar sua Criatividade para bolar um jeito de fazer fogo e se aquecer, ou de colher galhos de árvores para fazer uma cabana e assim por diante.

O que quero dizer com essa comparação é que não é somente quem escolhe ser músico o grande responsável pela criação e desenvolvimento artístico para colocar no mercado bons produtos e ganhar dinheiro com isso.

Ao invés de pássaros e peixes como plateia, ele precisa de público e crítica.

Ao invés de areia e árvores, ele precisa de palco.

Ao invés da solidão e da falta de incentivo, ele precisa de empresas, órgãos governamentais e instituições que defendam sua causa, patrocinem seus shows, permitam o ensino sério, para melhor desenvolvimento profissional e, acima de tudo, de um mercado que não o veja como uma exceção ou alguém que, ao invés de trabalhar, optou pela “vida fácil de ser músico”.

Em meio à retórica de que um bom músico é aquele que lança um álbum por ano, faz uma turnê de shows pelo menos a cada 2 anos, vive aparecendo em eventos sociais para virar “celebridade” e está sempre nas primeiras colocações das “paradas de sucesso”, o músico é um profissional como qualquer outro, que precisa de estudo, reciclagens constantes, vagas no mercado de trabalho, incentivos para iniciar uma carreira e gente competente lutando pela sua categoria junto ao Congresso Nacional.

Por que o mercado da música – e isso inclui todos aqueles que fornecem produtos e serviços para que a música seja ouvida – não para de olhar só para aqueles que precisam de um hobby ou curtem um estilo musical e buscam na música um passatempo e não passa a olhar com mais seriedade para as atividades e atitudes que possam promover novos talentos e enriquecer a nossa cultura?

Por que não ser criativo, assim como os músicos?

O que faz com que as coisas deixem de acontecer está entre a intenção e o ato. Criatividade não é o mesmo que aptidão ou dom. Ela precisa ser desenvolvida e só pode fluir quando tentamos fazer alguma coisa com nossas próprias mãos.

Será que grandes publicitários seriam sempre criativos para bolar campanhas se soubessem que ficariam sem receber nada depois?

O mercado de Música precisa desenvolver sua Criatividade, colocando em prática tudo o que acredita que pode contribuir para o músico continuar tendo inspiração para criar.

E não são tarefas complicadas que vão ajudar a Música no país. Muito pelo contrário.

São atitudes simples, óbvias, como a participação em festivais, a criação de oportunidades para uma banda poder se dedicar na criação de um novo trabalho, a força de vontade para ajudar a criar leis que diminuam a carga tributária e fiscal das casas de shows e estabelecimentos que desejam ter música ao vivo e, principalmente, os incentivos através de investimentos na promoção de eventos e publicidade.

 

 

 

 

 

 

 

É uma pena não terminar este texto de uma forma otimista, mas se o mercado da Música não entender que a Criatividade não depende só do músico e está diretamente ligada às ações e atitudes para incentivos da música, daqui a alguns anos teremos um reduto, tipo um zoológico com raros músicos em extinção, apenas para serem apreciados de vez em quando.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E agora? Já tinha refletido sobre isto ou tem uma tese diferente (antítese)? Saiba que do confronto entre uma tese e sua antítese é que nasce a síntese. Por isso, comente suas opiniões aqui, nas redes sociais da nossa anfitriã SANTO ANGELO ou então, nas minhas. Vou adorar discuti-las.

Abraço forte e até a próxima.

 

 

Celio Ramos

Sócio fundador, junto com Wander Taffo da antiga escola física EM&T no bairro do Jabaquara e, agora, principal acionista do Território da Música, mas sempre um eterno apaixonado por Música e novas ideias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *