POTENCIOMETROS: A SAGA CONTINUA

Por Alexandre A. Berni

Conforme prometido, vamos continuar neste post falando sobre Potenciômetros, desta vez sobre os chamados Push/Pull que podem ser usados como Volume ou Tone, e são encontrados nas especificações 250Ω (A e B) e 500Ω (A e B), sendo estes últimos os mais utilizados. Nada mais são do que potenciômetros comuns incorporados a uma chave seletora de 6 polos que disponibilizará novos recursos em uma ligação elétrica de uma guitarra ou baixo. Lembramos que a instalação desses componentes ou “mini-chaves” não alteram  esteticamente, com novos furos, os escudos ou necessitam novos entalhes na madeira do instrumento musical.

O objetivo principal do uso deste tipo de Potenciômetro é a busca por diversidade de  timbres. Muitos guitarristas procuram uma guitarra mais versátil com som de captador duplo (Humbucker) e simples (Single Coil) principalmente na ponte. Poucas são as guitarras que possuem o Push/Pull de fábrica. O número de combinações para timbres diferentes pode ser muito grande baseado no número de captadores duplos que você tenha em sua guitarra e ao número de potenciômetros Push/Pull que você deseja colocar. Um exemplo de combinações é em uma Les Paul com 4 Push/Pull como no vídeo abaixo deste excelente guitarrista canadense Phil Xenidis:

Existem muitos “esquemas elétricos” usando o Push/Pull, muitos deles disponíveis na internet, desde ligações simples até muito complexas que até luthiers experientes tem dificuldade de entender. Entretanto, focaremos nos esquemas mais utilizados como base do aprendizado sendo que, provavelmente, surgirão novas idéias na medida em que vocês forem entendendo o mecanismo de funcionamento:

Finalidade mais usada: desligar uma bobina do captador duplo (Humbucker ou um Stack),   transformando em um captador de bobina simples (Single Coil).

Outras finalidades:

  1. Ligar o captador da ponte (bridge) com o do braço (neck): geralmente em modelos Stratocaster com chave seletora de 5 posições;
  2. Desligar a guitarra: muito usado para evitar ruídos e em algumas ligações com captadores ativos para economizar bateria;
  3. Defasar ou ligar as bobinas do Humbucker em serie ou paralelo.
  4. Fazer um efeito chamado de Kill Switch difundido pelo guitarrista Tom Morello do “Rage Against The Machine”: vale a pena lembrar que a SANTO ANGELO fabrica um cabo inovador (MUTE ou KillSwitch) que realiza este efeito sem precisarmos mudar a ligação elétrica da guitarra.
  5. Alternar o uso de guitarras de dois braços ( double-neck ): este esquema você não encontrará na internet porque foi elaborado por mim e pelo Edmar Luighi, um dos bons luthiers que conheço na cidade de de São Paulo.
  6. E muitos outros…..basta perguntar ao Google.

Vamos agora conhecer, através de um simples desenho esquemático, o funcionamento do Potenciômetro tipo Push/Pull:

Potenciômetro
Potenciômetros (Push Pull) SANTO ANGELO

Como perceberam, os dois polos centrais são comuns para as duas posições do Push-Pull.  Portanto é neles que ligaremos os fios da bobina Norte e Sul que caracterizam o captador duplo.   Para que possamos desligar esta bobina, soldaremos no outro polo um fio terra e, desta forma, quando puxarmos o knob do potenciômetro para cima, os fios ligados juntos serão automaticamente desligados pelo efeito de aterramento. Assim, sobrará  apenas uma das bobinas ligadas através do fio que irá para a chave ou volume ( fio positivo ou Hot ).

Veja o esquema abaixo:

Funcionando como um Humbucker

Uma dúvida que muitos iniciantes têm é se podemos desligar uma bobina simultaneamente do captador da ponte (bridge) e do braço (neck)?

Sim, basta soldar o Norte e Sul do outro captador no polo que está sobrando ao lado do exemplo acima. É importante perceber que o aterramento está feito nos dois polos superiores, desta forma você poderá soldar o outro captador no outro polo que também sofrerá o aterramento atingindo seu objetivo.

Vale a pena lembrar que as ligações do potenciômetro neste tipo de ação são as mesmas já demonstradas em posts anteriores, apenas estamos acrescentando a chave de 6 polos, independente dos 3 polos normais dos potenciômetros.

Outra dúvida comum que poderá surgir será como saberemos as cores dos fios que devo ligar juntos para realizar este desligamento de uma bobina? 

Quando compramos captadores novos esta informação deve constar no manual que os bons fabricantes adicionam aos produtos. Entretanto, sempre teremos como buscar na internet sobre informações das cores dos fios dos captadores. Para facilitar a vida de vocês, eu já fiz isto e descrevo abaixo as cores  que os principais fabricantes utilizam em seus captadores:

Captadores

Bem pessoal, vamos um degrau por vez. Espero que tenham entendido este tipo comum do uso do Push/Pull  e me mandem suas eventuais dúvidas e sugestões para seguirmos adiante.

Um grande Abraço,

Doutor Santo Angelo.

 

9 comentários em “POTENCIOMETROS: A SAGA CONTINUA

  • 30 de julho de 2013 em 22:10
    Permalink

    Santo Angelo, tenho uma Strato HH, chave de 3 seleções, posso fazer Split dos caps Bridge e neck com uma chave de 5 posições? é possível?

    Resposta
  • 22 de outubro de 2013 em 15:44
    Permalink

    Santo Angelo, minha guitarra tem a configuração seguinte: na ponte, um HB, meio SC e braço um outro HB. Comprei um par de EMG HZ e queria saber se vc tem um esquema de ligação para mim… a chave de mudança é de 5 posições e o potenciômetro de ton. é push pull estou com muiuta dificuldade de ligar e “defasar” os caps, pois não encontro esquema similar. Att. Angelo. Guarujá/SP.

    Resposta
  • 18 de novembro de 2013 em 17:16
    Permalink

    Santo Angelo, tenho uma Epiphone – SG G310 com aqueles caps chineses originais que vem nela… gostaria de saber se tem alguma forma de fazer esse procedimento neles… abrass!

    Resposta
    • 10 de dezembro de 2013 em 17:00
      Permalink

      Fala, Renan, provavelmente ele não conseguirá fazer este tipo de ligação, pois a maioria das epiphones vem com captadores duplos apenas com dois fios e não com os fios das bobinas separados.

      Resposta
  • 22 de agosto de 2014 em 23:19
    Permalink

    Caro Alexandre… boa noite!
    Faltou colocar o ‘K’ nos valores dos potenciômetros.
    Espero que não se importe, minha intenção é única e exclusivamente a de colaborar. Mas como há um padrão… apenas para manter os termos dentro dele, a chave em questão tem 6 terminais, 2 polos e 2 posições.
    Como é minha 1ª participação, quero dizer que é um excelente trabalho o que você faz!
    Se alguns não sentirem-se totalmente seguros para tentar as modificações e reparos, ao menos não entregarão cegamente seus instrumentos a ‘técnicos’ inescrupulosos que poderiam facilmente enganá-los.
    Conhecimento liberta! Conhecimento é poder!
    Parabéns!

    Resposta
  • 2 de julho de 2016 em 22:52
    Permalink

    Santo Angelo, estou reavivando esse tópico por causa de uma coisa curiosa que aconteceu comigo
    Tenho uma Jackson (Modelo D10 Pró) com um Dimarzio Paf Pró (Neck) e um Seymor Duncam Patb1 (ou Trembucker Parallel Axis) (Bridge), e meu Luthier instalou , a pedido meu, um potenciometro push pull (malagoli) 500K .
    Ficou Show de bola, porém uma coisa me chamou a atenção e até mesmo de meu luthier: No captador do braço (Dimarzio Paf Pró) na posição baixada (Humbucker ativado), o som é totalmente “estalado” e agudo e quase sem sustentação , parecendo como se fosse “defasado”, e já com o push pull levantado (Humbucker Defasado) o som é “gordo” ,limpo, brilhoso, e bem sustentado.
    Tanto eu e meu luthier fizemos teste para conferir se não havia inversão na ligação, mas está 100% correto.
    Enfim, não me atrapalha, muito, pois uso 90% meu captador da ponte, e quando quero diferenciar um pouco meu estilo, arrisco usar o captador do braço (lembra um pouco o timbre da música Imigrant Song beeeem estalada e sem sustentação)
    Outra coisa, quando deixo a chave (3 posições) no meio, usando ambos os captadores, NÃO HÁ esse som estalado, parece que meio que se “ajusta” junto ao Seymor, sei lá.
    Será que isso ocorre por causa do tipo do potenciometro?

    Resposta
    • 4 de julho de 2016 em 7:29
      Permalink

      Hugo, agradecemos por compartilhar esse caso.
      As vezes a inversão está interna, no captador, mas é uma situação bem incomum mesmo. Seria até uma possibilidade levá-lo diretamente na importadora dos captadores, para ver se não é uma peculiaridade do lote.
      Apesar de tudo, o importante é que o som te agrade, a gente se adapta, não é?

      Um abraço e novamente, agradecemos o comentário.

      Resposta
  • 29 de novembro de 2017 em 15:51
    Permalink

    ola tenho uma stratocaster fender vermenha eai resolvi colocar uma chave para faser o efeito kill swich ou desligar a guitarra . deu certo soque quando deixo ela na selecao off ela fica fasendo ruidos quando poe a mao soque ai n sai som nenhum dai quando eu ligo fica de boa sem ruidos como resolvo isso obligado a minha chave n e de botal e aquela chavinha de 2 posicoes e 3 conectores para soldar fio

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *