Dinheiro na conta. Vai gastar?

Lounge Empreendedor

por Dan Hisa

Enfim é dezembro: amigo secreto na empresa, escola e família, festas de final de ano, presentes de Natal, algum show extra e 13º salário (para quem trabalha em regime CLT). Esse dinheiro a mais já é motivo de gastar desenfreadamente para muitas pessoas. É só olhar na timeline do seu Facebook, pessoas que já torraram a primeira parcela do 13º na última Black Friday, com novas televisões, videogames de última geração ou qualquer cacareco sem significado algum.

[level-assinante]

IMG 1

Pensando nisso, resolvemos dar algumas dicas legais para você controlar seus gastos e se programar para realizar um projeto de verdade: comprar aquela guitarra que você tanto sonha ou mesmo fazer uma viagem e conhecer um pouco da cultura de outros países. Se tiver outro sonho a realizar, conte pra gente no final deste post.

Mas antes, algumas informações muito importantes para guiar nossa nova série de posts, tendo em mente os conceitos de: consumo, consumismo e consumerismo.

Podemos explicar o consumo com essas duas frases:

  • Você precisa comprar comida e bebida para se alimentar e continuar vivendo.
  • Você precisa comprar uma casa para morar.

1. Descrevemos o Consumo através do que é básico para dar continuidade à sua existência. Em uma definição bem simples, mas assertiva, digamos que é “o gasto com o necessário” e mais nada além disso. Mas digamos que você precisa matar a sua sede e ao invés de comprar um café comum (cerca de R$ 1,50) você resolve tomar um belo café expresso no Starbucks (em torno de R$ 3,00). Nesse momento você muda de consumo para consumismo.

IMG 2

2. Define-se Consumismo pelos gastos excessivos com necessidades básicas (o exemplo Starbucks) ou, na maioria das vezes, supérfluos (você não precisa comprar uma escova de dentes que treme e gira sozinha, mas mesmo assim, você acaba comprando). É o ato de gastar sem haver necessidade. Isso, dependendo do nível, pode se tornar uma doença. Consome-se pela marca e pelo status que ela te traz.

E se você acha esse fenômeno novo, engana-se. Data da Revolução Industrial os primeiros traços de consumismo. A diferença essencial hoje é que a possibilidade de compra das pessoas aumentou (com parcelamentos em cartão de crédito ou boletos, o que pode ser um veneno para suas finanças se não for controlado e bem pensado). E esse padrão de consumismo alto se dá a partir de um fenômeno que chamamos, aqui no blog, livremente, de Neurônios Espelho. Explicamos nessa frase:

Caramba, o John Mayer tem uma Fender Stratocarter, então eu também preciso ter uma?

Não se pesa necessidade, apenas o que a celebridade (ou aquele famoso endorsee que só falta ter uma cueca Signature como o Neymar) ou pessoa mais bem posicionada na sociedade usa. É indiscutível a qualidade que uma guitarra dessas te oferece, mas quanto ao valor total dela (hoje, acima de R$ 7.000,00 uma Strato American Standard) realmente representa essa superioridade nos timbres (e sabemos que existem instrumentos brasileiros com qualidades iguais ou superiores com valores muito mais acessíveis).

Mas nem sempre a análise objetiva de preço define o consumismo. Às vezes o preço superior carrega mais do que se consegue ver no produto. Preservação ao Meio Ambiente (prática que a SANTO ANGELO já abraça ha muito tempo), Responsabilidade Social e escolha de matérias primas ecologicamente corretas (olha a SANTO ANGELO novamente) são algumas das práticas.

IMG 3

3. Esse modelo de consumo se chama Consumerismo. Ele preza a defesa dos interesses dos consumidores (individuais ou coletivos) e de maneira a perpetuar os recursos naturais para as próximas gerações. A máxima é do Consumo Consciente, Solidário e Ético.

Sim, você pode querer algo de preço maior, contanto que essa diferença não impacte na sua economia pessoal, nem no Meio Ambiente e venha de uma empresa responsável, exatamente nessa ordem. Se ela ferir qualquer uma dessas condições, a compra já não será consciente e volta ao patamar de simples consumismo.

Todo esse histórico vai de encontro aos nossos interesses dessa série, de levar a educação financeira e o consumo consciente e sustentável aos leitores e amigos do nosso blog. Assim, antes de comprar, adote os passos desse infográfico:

Infográfico

No próximo post, voltaremos com os números e um pouco mais à fundo do controle e planejamento financeiro pessoal, falando um pouco sobre seu orçamento pessoal e como controla-lo através de planilhas financeiras, para que, a partir desse final de ano, você consiga provisionar suas ações e conquistar o que você quer.

Alem dos sonhos de consumo que mencionamos acima, você tem outros? Curtiu o post? Tem alguma sugestão, crítica ou elogio? Comente aqui no blog para que possamos aprender todos juntos.

Até a próxima.

[/level-assinante]


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *