Fique esperto: sua guitarra pode estar correndo perigo

 

Links - Guitarras

Por Carla Lima

Olá pessoal!

No meu post anterior, tratei de um assunto importante para quem precisa mudar para obter resultados diferentes, lembra? Se não, clique aqui porque um dia aquelas dicas poderão te ajudar a dar um “up” na sua carreira profissional, musical ou até sentimental. E ainda mais com uma crise forte batendo na porta da gente todos os dias, nada como ter atitudes positivas para enfrentar o que vier pela frente, não é mesmo?

Mas hoje nosso papo será diferente: vamos falar de violência, que por sinal é um dos problemas sociais que mais nos preocupam como brasileiros, segundo as recentes pesquisas de opinião pública (veja este artigo sobre os principais problemas sociais do país). Ou você acha que está imune a assaltos ou roubos quando anda com sua guitarra nas ruas, atrás dos seus compromissos? Pois até os famosos estão sujeitos a sofrerem dessa violência todos os dias, como na história que contarei a seguir.

Você sabia que a cantora Rita Lee teve uma Telecaster réplica roubada junto com todos os equipamentos de sua banda?

Durante o transporte dos equipamentos da turnê “Pic-nic”, em 2008, de Curitiba/PR para São Paulo/SP, o motorista do caminhão foi rendido e os assaltantes levaram todos os instrumentos musicais (inclusive os cabos) e amplificadores (clique aqui para ver a notícia). Sumiu também a guitarra réplica do modelo Fender Telecaster, feita pelo luthier Jaques Molina especialmente para a cantora Rita Lee, um ícone na história do Rock nacional (clique aqui e conheça a história do Rock no Brasil). Conheça a história da artista contada por Daniel Achedjian no blog Tropicalia (clique aqui).

Guitarra protegida - Rita Lee

Escolhi esta guitarra porque o Alexandre Berni tem escrito ótimos posts sobre guitarras icônicas aqui no blog e se você tem acompanhado, quem sabe já não tenha transformado uma de suas guitarras numa dessas lendas das seis cordas? Sem querer tomar o lugar do Alexandre, mas já tomando, deixe-me contar um pouco da história da Fender -Telecaster.

Conheça a história da “Tele”.

Em 1949, na Califórnia, Leo Fender (fundador da Fender) projetou uma guitarra elétrica de construção simples: escudo em baquelite, corpo sólido em Alder e braço em Maple, dois captadores single-coils, escudo fabricado com celulóide e uma ponte com três saddles, um para cada duas cordas.

Inicialmente chamada de “Broadcaster”, a guitarra começou a ser distribuída em 1950 com o intuito que fosse produzida em massa e que as pessoas tivessem fácil acesso. Porém, uma outra fábrica de guitarras, a Gretsch, já havia dado esse nome para alguns dos seus produtos, fazendo com que, em 1951, após um processo judicial, a Fender tivesse que buscar  um novo nome para esse modelo de guitarra.

Durante um breve período, a guitarra passou a ser fabricada com o nome “NoCaster” (hoje em dia esses modelos são extremamente valiosos, devido a sua raridade). Mas foi Don Randall, na época diretor de marketing da Fender, que sugeriu o nome “Telecaster”, devido ao grande marco da televisão nos EUA no início dos anos 50, misturando “televisão” com “Broadcaster”, e assim surgiu o nome oficial da guitarra, hoje também conhecida como “Tele” ou “Teleca” entre os guitarristas brasileiros que adoram seu timbre característico.

Mesmo não sendo a primeira guitarra elétrica da história, a Telecaster possuía um som revolucionário e criou tendência tanto na produção de guitarras como no mundo da música.

Guitarra protegida - telecaster

Voltando ao episódio ocorrido com a Rita Lee e seus músicos, algum tempo depois, o caminhão foi encontrado vazio há alguns quilômetros de distância do assalto. Com isso, Rita Lee foi obrigada a suspender alguns shows da sua nova turnê.

Somente em fevereiro de 2009, com a investigação feita pela polícia após uma denúncia de receptação, foram encontradas quatro das guitarras roubadas na casa de um professor de música da grande São Paulo. Mas nenhuma delas era a Telecaster réplica da cantora, que continua desaparecida, visto que a guitarra não tinha identificação ou número de série, como os modelos originais tinham na lista de instrumentos roubados que os artistas divulgaram. Confira na imagem abaixo alguns dos itens roubados.

Guitarra protegida - lista de itens roubados

O professor de música, com quem as guitarras foram encontradas e que admitiu saber que as guitarras eram roubadas, também vendia instrumentos pela internet. Ou seja, será que você também já não pode ter comprado um instrumento musical roubado, pagando bem pouco por ele? Abra os olhos para não passar por receptador porque as guitarras, além do valor financeiro, têm um valor emocional inestimável para os músicos proprietários e por isso mesmo devem estar protegidas.

Afinal, como proteger uma guitarra?

Seja uma guitarra original, uma icônica ou uma réplica, a sua guitarra deve ter uma identificação única que a torne diferente das demais. Claro que não queremos que algo de ruim aconteça, mas já pensou se uma situação semelhante à de Rita Lee acontece com você?

Caso queira comprar uma guitarra produzida por um luthier (como é o caso da Telecaster réplica da Rita Lee), você pode procurar por profissionais que já façam suas guitarras com número de série. Ou então solicitar que seja feita alguma marcação exclusiva na sua guitarra e que não seja fácil de apagar.

Grande parte dos fabricantes de guitarra usam placas com um número de série para identificar seus produtos que costumam ter o ano de fabricação em sua composição, seja no começo ou no ínicio do número, dependendo do modelo da guitarra. Por exemplo, uma guitarra fabricada em 1999 teria o seguinte número de série: 99-XXXXXX.

Além de um cuidado com as guitarras que você já tem, repito que também é preciso dar a devida atenção ao momento de adquirir uma guitarra usada, pois frequentemente repetem-se casos de produtos roubados sendo vendidos em lojas físicas e onlines. Por isso, observe atentamente se a guitarra possui o número de série e se esse número não aparece nas buscas por instrumentos musicais roubados.

Dê atenção também aos seus pedais, cabos, amplificadores e todos os outros instrumentos musicais, por que não adicionar um número de identificação em cada um deles?

Comprando produtos de fontes não oficiais, o risco de ser enganando aumenta consideravelmente mesmo com guitarras novas porque a pirataria cresce sem parar no mundo.

Procure sempre conhecer a procedência dos produtos. Note este relato de um consumidor que teve a sua guitarra roubada e conseguiu recuperá-la (clique aqui para ver).

E vou repetir mais uma vez: ao comprar um produto de procedência ilícita, fruto de um roubo, você estará cometendo um crime de receptação que tem como pena a reclusão, de um a quatro anos, e multa. Além do mais, você estará com um objeto de muita estima pelo proprietário original, que pode, inclusive, ser um instrumento de trabalho.

Fique esperto e se proteja no momento de comprar uma guitarra e mais ainda se for vítima de um assalto. Nunca reaja e faça um boletim de ocorrência, informando aos policiais todas as características do instrumento musical roubado, com a devida identificação que tenha providenciado. Só assim as suas chances de recuperar o que é seu, de direito e dedicação, poderão aumentar.

Guitarra protegida - guitarra

Um abraço e até a próxima!