VOCÊ TOCA QUANTOS INSTRUMENTOS?

Salve leitor e leitora do blog SANTO ANGELO! Tudo bom com você?

Aqui é o Sasha Z novamente e quero dizer que já estava com saudade de voltar a trocar ideias com você desde meu último post, que sempre pode ser relido ou conferido por quem estiver chegando agora.

Sempre lembrando que meu objetivo é dividir conhecimento e experiências que possam contribuir para que mais músicos e musicistas de todos os níveis e estilos possam continuar evoluindo na carreira profissional, ou mesmo no hobby de tocar um instrumento musical.

Reparou que falei em “carreira profissional” e não carreira musical?

Infelizmente muitos dos nossos leitores precisaram dar um tempo em viver da Música, devido à falta de oportunidades de seguir em frente, depois que a pandemia da COVID-19 proibiu aglomerações de pessoas. Até mesmo igrejas tiveram seus cultos cancelados ou reduzidos, devido às contaminações.

Mesmo assim, a galera mostrou Resiliência e se adaptou aos novos cenários, como tenho ouvido nos podcasts da SANTO ANGELO, como este em que a Thais Andrade desenvolve um trabalho extraordinário com vários parceiros da marca. Eu recomendo que ouça os episódios semanais no Spotify, ou qualquer outro agregador.

Enfim, qualquer que tenha sido a alternativa que escolheu para sobreviver, sem esquecer de tocar seu instrumento musical, o que lerá a seguir poderá te ajudar muito no desenvolvimento como músico, mesmo que esteja fazendo outra atividade profissional atualmente, entendeu?

Assim, no post de hoje, inspirado pela leitura do livro “A Guerra da Arte” de Steven Pressfield, quero mexer com seus conceitos, perguntando:

Se você fosse a última pessoa da face da terra, continuaria fazendo o trabalho que faz atualmente?

Falando por mim, posso garantir que, mesmo nesse cenário maluco de ser a última pessoa do planeta, eu continuaria tocando guitarra, compondo e buscando me expressar através da Música porque entendo que este trabalho é o que me define como ser humano.

E você? Entende que esta reflexão te mostra a importância de realmente amar aquilo que escolheu se desenvolver, independentemente do que estiver ou precisar fazer enquanto durar a pandemia? 

Como seres humanos realmente plenos, primeiramente devemos exercer nossa atividade pela Paixão que nos move, pelo Bem que nos faz e pela Realização que alcançamos ao progredir na direção dos nossos objetivos, concorda? 

Embora estejamos de acordo, sabemos que o cenário dessa reflexão é bastante improvável (para não dizer impossível) porque, atualmente, o planeta Terra tem uma população que ultrapassa os 7 bilhões de pessoas e, como músicos, temos o privilégio de dividir e compartilhar nossa arte uns com os outros. 

Porém, mais do que em qualquer profissão, o fato de termos escolhido a Música como forma de expressão significa, muitas vezes, que precisamos ir contra tudo e todos para seguir o nosso sonho. 

O fato é que para tornar essa Paixão um hobby fascinante ou uma profissão rentável e bem sucedida é preciso encarar os mais diversos desafios. 

Portanto, além de dominar um instrumento musical, o músico de hoje em dia deve “tocar outros instrumentos”, ou seja, estudar diferentes habilidades complementares que vão fazer a diferença na busca por um lugar de destaque entre a população mundial.

Estou falando de Marketing, Mídias Sociais, Produção Visual, Empreendedorismo Econômico e Social, Time Management, Mundo VUCA, Finanças e, é claro, Music Business

Como empreendedores, muitas vezes somos nossos próprios chefes (quando nossos fãs e clientes deixam) e se não houver disciplina para trabalhar a carreira e evoluir como profissional em qualquer ocupação, estaremos fadados a esperar por aquele contato milagroso (que tem se tornado cada vez mais raro) trazendo uma proposta digna de mudar nossas vidas, como alguns músicos ainda sonham:

Não fique preso a ultrapassada mentalidade dos tempos das grandes gravadoras. 

Antes do MP3, se você, como músico, fizesse parte de uma banda incrível e morasse em uma das grandes mecas da música como São Paulo, Los Angeles, Nova Iorque e Londres, era bem provável que eventualmente o responsável de A&R (Artists and Repertoire) de uma gravadora oferecesse um contrato de gravação. 

Infelizmente, muitos músicos seguem focados apenas em tocar seu instrumento, iludidos por esse formato que levou diversas bandas e artistas ao estrelato. Se for um deles, tenho uma péssima notícia para te dar:

Desde a revolução do MP3 e hoje com o streaming, gravadoras procuram artistas validados e que já tenham um público fiel. 

Percebeu que agora você precisa construir seu próprio caminho?

Sei que “tocar muitos instrumentos”, ou seja, dominar tantas habilidades soa como muito trabalho, mas lembre-se da nossa conclusão lá no começo deste post, caro leitor e leitora:

“Devemos fazer o que fazemos acima de tudo por amor. Quando desistir não é uma opção, a gente vai um dia por vez, enfrentando os desafios e adquirindo aos poucos as habilidades para construir uma carreira sólida e viver bem de música.” 

E já que mais uma vez estamos de acordo, vou deixar, como sempre faço nos posts que escrevo, 4 dicas bem práticas para você que chegou até aqui: 

1 – Leia sobre diferentes assuntos

A literatura específica de Music Business ainda é muito precária no Brasil. Por conta disso, gosto de buscar inspiração e desenvolver o lado empreendedor trazendo conceitos de outras áreas para aplicar ao meu modelo de Negócios e que também recomendo que faça. 

Você pode ler sobre Marketing, Finanças, Administração do Tempo e Gestão de Empresas. O próximo passo é aplicar esses conceitos no desenvolvimento da sua própria  carreira. Deixo aqui a sugestão de um livro para você começar: “Audaz” do Maurício Benvenutti

2 – Cursos

Além de buscar conteúdo no YouTube com videomakers que são referência nos mais diversos assuntos, sites como Coursera e Udemy oferecem diversas modalidades de cursos gratuitos que podem ajudar na sua jornada. 

Lembre-se de que para atingir resultados que você ainda não atinge, precisará adquirir habilidades novas. No meu caso, por exemplo, recentemente fiz um curso excelente sobre Aprender a Aprender (disponível gratuitamente no site Coursera) que me tornou um aluno melhor e, certamente, também um professor acima da média no ensino da Música. 

3 – Redes sociais

É impossível frisar suficientemente o quanto um conteúdo de qualidade nas redes sociais pode ajudar sua carreria evoluir. Seguindo as duas dicas anteriores e fazendo uma busca desses temas aqui mesmo no blog SANTO ANGELO, procure estudar, planejar e dedicar tempo para transmitir a qualidade do seu trabalho nas redes sociais que achar mais conveniente. Melhore a Produção e a Frequência do seu Conteúdo e se surpreenda com os resultados.

4 – Vai lá e faça

Essa, talvez, seja a dica mais importante: Não se sinta sobrecarregado pela quantidade de atividades e habilidades necessárias para construir uma carreira bem sucedida na Música. 

O importante é fazer acontecer, como na “Mensagem à Garcia”.

Participe das gigs, troque ideias, conheça pessoas, marque presença nas redes sociais, componha, grave, lance seus trabalhos. Nos bastidores, estude muito! Aprenda com os erros e busque a cada dia ser melhor do que você mesmo. 

Ser um profissional de destaque na Música é tão complicado quanto qualquer outra área. Aprender a curtir o processo é uma das coisas mais gratificantes, mas não espere alguém pegar você pela mão. 

Comece já a construir a carreira que você deseja, contando e comigo e a SANTO ANGELO para ajudá-lo.

Um grande abraço e até a próxima.

 

Sasha Z

Sasha Z, guitarrista e endorsee SANTO ANGELO. Atualmente leciona guitarra e violão na Overdrive Guitar School (Caxias do Sul – RS) e desenvolve um trabalho solo instrumental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *