Afinando guitarras com…

BFECASGC - FB

por Dr. Alexandre Berni

Olá pessoal? Como todos já sabem, a guitarra não é um instrumento que se pode tocar em perfeita afinação. E para quem ainda não sabe, sugiro a leitura do post sobre temperamento, clicando aqui ou até mesmo o ebook sobre “Saude da Guitarra” que você baixa gratuitamente (até quando eu não sei) clicando. Desta forma, você entenderá melhor o assunto de hoje sobre Afinação.

Quem garante que sua guitarra está 100% afinada?

Quando afinamos uma guitarra, mesmo com um afinador muito preciso, percebemos que os acordes não soam bem afinados, principalmente para os ouvidos mais exigentes. E mesmo para quem já tem um nível intermediário pode perceber, por exemplo, que quando se toca um acorde C, sua terça pode soar levemente “sustenido”. Tocando o acorde D, o F# está desafinado. O acorde G, pode parecer muito bom, já no E, é o G# que soa desafinado. Vá até a 9ª casa e toque o acorde D. Já passou por essa experiência? Posso até arriscar dizer que uma guitarra bem regulada consegue tocar cerca de 80% afinada. Exagero?

E como podemos resolver essa questão?

Existem várias teorias e métodos a respeito, mas dividirei com vocês o que aprendi sobre o Sistema de Afinação conhecido como “Buzz Feiten”.

BFECASGC 001

Tudo começou em 1992 quando um músico chamado Buzz Feiten sentindo-se frustrado com a afinação de sua guitarra, em relação ao piano do colega de banda, decidiu estudar melhor o assunto. Observou que o piano, com 88 notas, tocava brilhantemente por toda noite de show e sua guitarra, com apenas seis cordas, “soava” desafinada quase que constantemente para seus ouvidos. Sua proposta, então, foi abandonar a afinação tradicional e estudar outra forma que “soasse” melhor em relação ao piano.

Após rever e relembrar a história dos instrumentos musicais e respectivos tipos de afinações, Feitein “emprestou” parte da teoria de um sistema de afinação chamado Werckmeister. Em poucas palavras, o método Werckmeister propõe que o ouvido humano, por limitações fisiológicas, tolera (aceita) alterações de afinação nas quartas, quintas e oitavas. E não tolera (não aceita) alterações de terças, sextas ou décimas. Com isso, Werckmeister “transferiu” parte das desafinações das quartas, quintas e oitavas para suavizar as terças, sextas e décimas. Bingo: Feiten adotou esta mesma técnica. Assim, o Sistema Buzz Feiten propõe a resolução da afinação em dois passos simples:

Primeiro:

A substituição do NUT do instrumento por um NUT patenteado aproximando as cordas do primeiro traste, eliminando desta forma, as notas semitonadas dos três primeiros trastes. Cada NUT é produzido com osso de alta qualidade e fácil identificação com um raio em baixo relevo como observamos na figura abaixo.

BFECASGC 002

Segundo:

Ajuste da Entonação através dos Saddles da ponte também através de fórmula patenteada.

BFECASGC 004

Considerando que se trata de um sistema patenteado, as informações acima são para conhecimento, eu não tenho a pretensão de ensinar ninguém a aplicar o sistema, mesmo porque, essa é uma tarefa do dono da patente e seus agentes autorizados. No entanto, é importante saber que existem no Brasil alguns luthieres licenciados que realizam este serviço. Portanto, não custa nada perguntar e checar o certificado de autorização Buzz Feiten antes de entregar sua guitarra para esse tipo de serviço.

E quem me garante que a afinação ficou 100%

Bem, como considerei os métodos tradicionais de afinação ao redor dos 80% de eficácia, para o método Feiten eu dou um nível de 95%. Afinal, que serviço, produto ou equipamento pode comprovar 100% de eficiência? Mas para garantir a seriedade desse sistema, assim que o serviço é executado, o luthier licenciado coloca na guitarra ou baixo um selo especial, com número de série como mostrado na figura abaixo.

BFECASGC 003

Um dos guitarristas que conheço que adota este sistema de afinação e que o endossa é o virtuoso Rick Furlani, endorsee paulista da SANTO ANGELO.

Vale a pena lembrar que existem outras marcas que, seguindo a mesma teoria, vendem NUTs conhecidos como “compensados”, como na figura abaixo:

BFECASGC 005 BFECASGC 006

 

Acredito que depois de algum tempo, com a experiência adquirida, o músico se preocupa muito com a afinação, pois seus ouvidos já estão mais treinados. Não nos custa, ou melhor, custa sim, mas de qualquer forma experimentar este outro tipo de Temperamento poderá nos surpreender, não é mesmo?

E se quiser comentar, sugerir ou contar sua experiencia com esse ou outros métodos de afinação, é só deixar uma mensagem logo a seguir. Tenho certeza que todos aprenderemos juntos.

Um grande abraço e até a próxima.